5 anos da morte de Muammar Kadhafi: o assassinato que arruinou a Líbia e prefiguração da ruina no Brasil

5-anod-sem-ghadafi

Amigo Aleilson Soares, Rio de Janeiro, RJ

Neste 20 de outubro de 2016 o mundo lembra de que há 5 anos Barak Obama em visita ao Brasil ordenou de dentro do Palácio do Planalto o assassinato do grande Presidente líbio Muammar Kadhafi, num flagrante desrespeito imperialista e diplomático ao Estado brasileiro.

Num comentário sob um dos meus artigos um analfabeto político ou coxinha ou fascista ironizou de mim sobre os projetos políticos daquele grande estadista e de que sua morte fosse obra da OTAN com os sempre arruaceiros, mercenários e inimigos internos do seu País.

Porém a Sputnik Árabe entrevistou o jornalista favorito do líder líbio, Abdel Baset bin Hamel (veja aqui), que disse exatamente o contrário do que esborrifam os ignaros:


– “A experiência líbia, que continuou por 42 anos sob o governo de Muammar Kadhafi, permanecerá como parte incomparável da história do país. O país passou de forma regular por reformas, porque de vez em quando surgiam problemas na educação, saúde ou infraestrutura. Entretanto, a razão da crise de hoje foi provocada por o país ter começado realizando mudanças (depois dos acontecimentos de 2011), mas não pelas mãos líbias, impostas do exterior com o consentimento internacional. O que aconteceu no país pode ser descrito como a realização dos objetivos individuais das grandes potências”

Continua

Abdel Baset bin Hamel:

– “O fato de a operação em grande escala contra a Líbia não ter visado resolver a crise é evidente, pois os líbios são mortos em Sirte e Benghazi como vacas. Além disso, depois dessa operação militar o povo líbio foi privado de bilhões de dólares.”

O jornalista testemunha que o líder líbio foi o único que propôs a criação de um exército único e unido em toda a África para defender seus Países dos saques, das destruições culturais e do roubo de suas riquezas promovidas primeiro pelas colonizações ocidentais e depois pelo imperialismo.

Os jovens se levantaram contra Muammar fazendo passeatas e movimentos contra seu líder da mesma forma como o fizeram em 2013 e 2014 no Brasil contra a Presidenta Dilma Rousseff. Como aconteceu aqui, com os Estados Unidos por detrás das manifestações manipuladas, na Líbia quem manuseou a guerra suja foi a atual presidenciável dos Estados Unidos, Hillary Clinton.

Uma das razões do assassinato de Kadhafi foi a de barrar um modelo de política desenvolvida por ele, de radical respeito às tradições culturais árabes, absolutamente desprezadas e odiadas pelos imperialistas, da mesma forma que odeiam aqui no Brasil um retirante nordestino como Presidente do Brasil e uma guerrilheira, ex presidiária da ditadura e mulher como chefe de nossa Nação.

“Kadhafi conhecia aspetos específicos do seu país, conhecia a estrutura de relações entre as tribos. Não tínhamos divergências na comunidade, entre as tribos e os blocos políticos”, disse Abdel Baset bin Hamel, acrescentando que o líder líbio foi capaz de encontrar compromissos, tinha qualidades de líder, era um “fenômeno”.

A guerra sob o comando da OTAN, com as patas dos Estados Unidos por trás, matou seu prestigiado Presidente e deixou a Líbia em escombros em termos de desuniões internas profundas de grupos mercenários, fundamentalistas, entreguistas e inimigos daquela Nação, com seu povo na mais extrema miséria.

O mau cheiro dos corpos dos assassinados, a visão da miséria e da pobreza extremas líbios são indícios da política externa dos Estados Unidos para o  mundo e para a América Latina, notadamente arruinando nosso País e levando as lideranças populares e democráticas à lama.

A política arrasa Pátria e humanidade é a mesma, embora a tática com os traidores brasileiros que se vendem por pouco para entregar tudo ao imperialismo talvez seja ainda mais imoral e desprezível do que o que aconteceu ao povo líbio.

Por isso o clamor para que nosso povo se levante em insurreição para expulsarmos os golpistas e lacaios imperialistas!

Fora Temer!

Clique aqui para acessar o Canal CRP no You Tube.  Inscreva-se no Canal. E aqui para curtir nossa página no Facebook.

  • Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz sociais.
  • Dom Orvandil, OSF: bispo cabano, farrapo e republicano, presidente da Ibrapazbispo da Diocese Brasil Central e professor universitário, trabalhando duro sem explorar ninguém.

2 Comment

  1. Rogério Braga says: Responder

    Acho que quando se fala dos EUA é preciso explicar que quem dá as cartas naquele país sobre a política externa são os sionistas.

Deixe uma resposta

contador de visitas gratis