Racismo a bala

A celebração da consciência negra neste 20 de novembro de 2017 enfrenta o racismo real em forma de 71% de assassinatos no Brasil

O golpe que postou uma quadrilha a desgovernar o Brasil agrava ainda mais o racismo.

Já não se trata de brancos/as cochichando pelos cantos que não gostam de negros e negras, mas do racismo cruel feito violência.

A brutalidade racista se dá através do desemprego temeroso que atinge em primeiro lugar os/as negros/as mais pobres, já vítimas de policiais sob orientação fascista, que vêm nessas populações o banditismo em potencial.

Uma pesquisa  feita pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que a população negra é a maior vítima de homicídios no Brasil. Os/as negros/as representam 54% da população brasileira, mas são 71% das vítimas assassinadas. A cada 100 vítimas de assassinatos, 71 são negras.

O levantamento revela que enquanto o número de pessoas brancas assassinadas caiu 12% entre 2005 e 2015, o de pessoas negras cresceu 18%.

É evidente que o grave problema de racismo jamais será enfrentado por quadrilhas no governo como a do quadrilheiro MiShel Temer nem por nenhum neoliberal ou fascista.

Este e todos os problemas encruados sociais só podem ser resolvidos com o povo mobilizado, com projeto nacionalista, democrático e com governos sérios, honrados e patrióticos.

Colabore solidariamente com o Cartas Proféticas,  que analisa criticamente as notícias, busca os nexos com o todo, com as causas e os efeitos.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.