Parlamento português

A direita neoliberal é imensamente destrutiva do País e dos direitos sociais

Professor de economia na Universidade de Coimbra, José Manuel Pureza,  em entrevista à Rede Brasil Atual indica duas verdades inquestionáveis: 1. a direita é necessariamente destrutiva do País, dos direitos sociais – como emprego, saúde, habitação, segurança, mobilidade urbana, a ecologia, qualidade de vida, participação popular etc – e às instituições. Quando toma o poder , geralmente de assalto através de golpes ou por eleições manipuladas, usa as instituições como balcão de negócios e como meio de supervalorização do capital explorando desumanamente o trabalho e os seus frutos; 2. a esquerda, com suas variadas matrizes, só chega ao poder e governa quando se imbui da sabedoria da unidade no essencial a favor da Nação, do povo e dos seus direitos sagrados, respeitando e incentivando os movimentos sociais  e quando aprende a negociar com a direita, escavando caminhos sempre em favor do povo e não do egoísmo neoliberal.

Ao analisar o golpe no Brasil o Professor de economia na Universidade de Coimbra, José Manuel Pureza, que vivencia seu segundo mandato como deputado do parlamento português, sempre estudioso e analítico crítico do movimento político, afirma taxativamente que “Michel Temer é o rosto principal desse golpe, mas ele não terminou com a subida de Temer à presidência. As elites empresariais brasileiras viram-se forçadas, num primeiro momento, a aceitar políticas de redistribuição da riqueza (primeiro mandato de Lula) para evitar convulsões sociais incontroláveis que se virariam contra elas. Mas não estão dispostas a ceder mais e não hesitarão em fazer tudo o que puderem para impedir que políticas progressistas sejam aprofundadas e lhes retirem mais poder. Apostarão tudo na descredibilização das instituições para atingir esse objetivo.”

Leia a entrevista inteira no site Rede Brasil Atual.

Colabore com este blog.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.