Lula e a árvore

A Folha alimenta e arranca o ódio através de “pesquisa”

O jornalão de direita, a Folha de São Paulo, um dos catecismos de elite brasileira, que os empresarios lêm sujando as mãos com tinta misturada a pães, biscoitos, frutas e café pela manhã, enquanto babam de ódio dos pobres e de Lula, fez uma “pesquisa” sem vergonha colocando uma pergunta de tribunal inquisitorial, com respostas previstas, que induz o “pesquisado” a responder o que a classe dominate quer ouvir.

A pergunta obedece a lógica da “pesquisa” feita pelo assassino de Jesus quando perguntou: é ele o Barrabás? Depois que os fariseus e os chefes do templo se distribuiram acompnhados de soldados romanos de chocote em punho a pressionar que a multidão gritasse pela libertação de Barrabás, todos responderam a Herodes: “crucifica-o, crucifca-o”.

Ora, num País de educação falida, com índices de leitura dos mais baixos do mundo, com “estudantes” de cursos “superiores”  – como já o disse o professor Moniz Bandeira aqui – que não lêm a não ser os textinhos que os professores deixam nos tais xerox e com professores obtusos e rasos nas ciências humanas, que têm como fonte de infromação a “revista” Veja, a “pesquisa” do jornalão é do  tipo de pescaria em águas turvas com “peixes” contados.

A pergunta que, de modo assassino e cruel, o Data Folha colocou ao público foi se ex presidente Lula deveria ser preso ou não.

A intenção maldosa e satânica é evidente. Depois de anos de fogo pesado pela mídia, principalemnente pelas páginas ensanguentadas do jornaleco, das revistas e do complexo Globo, desejavam que resposta à pergunta modelo  “deve ser degolado” ou “nao?” fosse 100% pela pena de morte de Lula.

Embora a resposta a favor da intenção sujacente do lixo que leva o nome de pesquisa, mas que, na verdade,  é sondagem de “opinião” trabalhada numa população manipulada e cabestreada pelos donos invisíveis do poder, pressionado com alta intensidade a  que o povo se ajoelhe, beba de suas migalhas e deles receba chicotadas para lhe ser obediente, a resposta decepciona os assassinos sedentos de sangue. 40% dizem que Lula não é culpado e que é perseguido. 5% a mais do que os 35 % que o querem de volta à presidência para recuprar o Brasil destruido pelo golpe da quadrilha.

Ora, nenhum desses “líderes” aí do mercado neoliberal, sujo, egoísta, desumano e perverso, como Bolsonaro, Huck, Doreia, Marina e outros têm a seu favor o índice de aprovação de Lula e a compreensão de que o ex presidente é perseguido, caçado como fera ou escravo que escapou do tronco, com convicções de crimes sem provas inventados por enojantes escrementosos como a fraca tarefa lava jato da republiqueta cloacal de Curitiba e seu juiz de araque, amigo do Aécio e de Temer, ambos quadrilheiros,  protegidos, sanguinários que deixaram o ex presidente viúvo prematuramente, tal o nível de inferno psicológico a que levaram a sua família.

Na verdade, o povo absolveu Lula com 40% de negação à pergunta sanguenolenta.

O tiro saiu pela culatra e a elite derrotada. O povo brasileiro ainda conta com parecela preservada de inteligência moral e sensibilidade conectada com a justiça que vem das bases e da classe trabalhadora!

Nenhuma revolução vitoriosa contaria no seu início com tanta opinião favorável.

Colabore com o Cartas Proféticas que analisa as notícias, busca os nexos com o todo, com as causas e os efeitos e critica  propositivamente.

Compartilhar:



Um Comentário

  1. todos os resultados de "pesquisas de opinião ou intenção de voto" feitas pela mídia que está aí são desmentidas com o passar do tempo... são manipuladas ou dirigidas... não refletem a realidade... se assim fosse Lula não teria sido eleito e reeleito...
    com tanta miséria e desemprego... comércio fechando as portas... as coisas mudaram.. e muito... tem muito batedor de panela arrependido depois de ter perdido status...
    Lula leva no primeiro turno... de lavada.... a não ser que haja manipulação das urnas eletrônicas....

Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.