Vitória (ES) - Supermercados lotados e com filas nos caixas e na entrada funcionam em horário reduzido. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

A indústria de alimentos segue o inferno da lógica da “ética” das drogas, denuncia jornalista

 Grandes multinacionais do setor de alimentos destroem o meio ambiente, exploram o trabalho infantil e mantém trabalhadores escravos na base da cadeia produtiva - Tânia Rêgo/Agência Brasil 
Por Dom Orvandil. 

O jornalista Marques Casara, em artigo sério publicado pela Revista Brasil de Fato,  denuncia os graves atentados contidos nos alimentos.

O objetivo da indústria e do comércio é lucrar e lucrar, mesmo que os donos e seus funcionários saibam das bombas assassinas contidas nas embalagens e componentes dos tais alimentos industrializados, os líquidos e os sólidos.

Presos à mesma lógica do mercado das drogas os industriários e os comerciantes como que dizem: “Eu tenho para vender, você decide se vai comprar ou não, mas não me faça perguntas. Não me peça para escrever na embalagem o quanto isso te faz mal, pois prejudica o meu negócio.”

A indústria e o comércio agem criminosamente ao ferirem o direito à informação nos rótulos.

No Brasil golpeado pelo imperialismo internacional, cujo povo é desprotegido em face da ganância das multinacionais e dos empresários brasileiros do mal, desgovernados por uma gangue das mais perigosas, vivemos situação de exposição absoluta aos babndidos que nos envenenam.

O problema do ataque mortal à saúde de crianças e de idosos, os mais vulneráveis, é mais um motivo para a luta geral que precisamos fazer como povo mobilizado contra a insanidade capitalista, que prioriza os lucros em detrimento das vidas humanas e ambientais.

Leia abaixo o artigo do jornalista Marques Casara.

A cadeia produtiva de boa parte dos alimentos industrializados é dramaticamente agressiva ao meio ambiente e à saúde das pessoas. Não precisava ser assim. O problema é o modelo adotado pelas multinacionais do setor, que focam no curto prazo e pouco se importam com os impactos decorrentes de suas atividades.

O resultado é que boa parte da oferta de alimentos não leva em conta questões ambientais ou de saúde. Pior ainda quando o assunto é garantia dos direitos humanos na base do processo produtivo. Nesse quesito, opera-se um crime contra a humanidade.

A indústria de alimentos ultraprocessados segue a mesma lógica do mercado de drogas. Algo assim: “Eu tenho para vender, você decide se vai comprar ou não, mas não me faça perguntas. Não me peça para escrever na embalagem o quanto isso te faz mal, pois prejudica o meu negócio.”

A mentira é ingrediente abundante na fórmula de muitos alimentos à disposição de adultos e crianças, sem aviso de que fazem muito mal. A coca cola é a mais repressentativa do mal e dos  danos à saúde humana e ao meio abiente.

No Brasil golpeado pelo imperialismo internacional, cujo povo é desprotegido em face da ganância das multinacionais e dos empresários brasileiros do mal, desgovernados por uma gangue das mais perigosas, vivemos situação de exposição absoluta aos babndidos que nos envenenam.

Rotulagem

Altos níveis de sódio, açúcar, gordura e produtos químicos que fazem mal são ofertados sem que essas informações estejam claras nas embalagens. Os danos à saúde são deliberadamente omitidos, sem levar em conta os males causados às pessoas: obesidade, problemas cardíacos, diabetes e outras doenças.

Atualmente, a indústria opera com todo seu poder econômico para evitar que seja implantada a recente mudança decidida pela Anvisa em relação à rotulagem, com a indicação destacada dos altos teores de açúcar, sódio e gorduras saturadas. O modelo se assemelha ao que é defendido pela Opas (Organização Pan-americana de Saúde).

O que a indústria diz, na mesma lógica do mercado de drogas, é que advertir sobre os graves danos à saúde subestima o poder de decisão do consumidor. É de uma brutal hipocrisia, pois, ao mesmo tempo, a indústria investe bilhões de dólares em propaganda, ofertando os mesmos produtos, sem informar que fazem mal à saúde. Nessa lógica, supera até a indústria de drogas ilegais, pois essa, ao menos, não faz propaganda no intervalo da novela.

Em relação à Anvisa, apesar da decisão ter sido tomada, o jogo político e a pressão da indústria impedem a publicação da norma, que está suspensa por tempo indeterminado.

Quem compra tem direito de saber

Uma pesquisa Datafolha, encomendada pela ACT Promoção da Saúde, mostra que 78% dos brasileiros dizem que provavelmente ou com certeza reduziriam o consumo de refrigerantes e sucos de caixinha se houvesse alertas de excesso de açúcar nos rótulos. É um forte indicador de que o consumidor sabe o que quer, se preocupa com a saúde e não quer ser enganado. 

Violação dos direitos humanos

Além de causar danos à saúde dos consumidores, as grandes multinacionais do setor de alimentos destroem o meio ambiente, exploram o trabalho infantil e mantém trabalhadores escravos na base da cadeia produtiva.

Para produzir soja, o Cerrado brasileiro está sendo dizimado pela Cargill, a maior empresa de capital fechado do mundo

A Cargill é grande fornecedora de produtos para a maior empresa de alimentos do mundo, a Nestlé, que se beneficia do trabalho infantil em diversas cadeias produtivas, dentre elas a do cacau e a do café

O caso Coca-Cola

O caso Coca-Cola é emblemático. Em 2018, a empresa chantageou o Brasil, ao anunciar que sairia do país caso não fossem mantidos subsídios fiscais para a fabricação de refrigerantes na Zona Franca de Manaus. Na base de ameaças, a empresa se aproveitou da fragilidade do governo Temer e ganhou a contenda.

O que poucos sabem é a forma como a Coca Cola fabrica refrigerantes na Amazônia. Além de chantagear para obter benefícios fiscais, a empresa compra açúcar de uma empresa envolvida em diversos crimes, a usina Jayoro, que invadiu ilegalmente terras públicas para plantar cana-de-açúcar e fornecer para a Coca-Cola.

O mesmo acontece com o guaraná fabricado pela Coca-Cola, que vem dessa mesma usina Jayoro, uma notória destruidora da Amazônia.

Muitas multinacionais do setor de alimentos escondem quem são seus fornecedores e não informam, no rótulo, os malefícios dos seus produtos. Já passou da hora dessas empresas agirem de forma transparente, ética e responsável. A lógica do mercado de drogas não cabe em um setor que alimenta as nossas crianças. Isso precisa mudar.

Edição: Leandro Melito

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um comentário

  1. "A indústria de alimentos segue o inferno da lógica da “ética” das drogas, denuncia jornalista". A Coca-Cola é chefe nas chantagens e na destruição da saúde. Ajude-nos a movimentar o Cartas Proféticas compartilhando somente os links das postagens: http://cartasprofeticas.org/a-industria-de-alimentos-segue-o-inferno-da-logica-da-etica-das-drogas-denuncia-jornalista/

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.