atirador de Goiânia

A justificativa de bullying pelo adolescente atirador de Goiânia cai por terra

O noticiário em torno do atirador de um colégio particular em Goiânia indicou que o motivo foi o de bulliying.

A revista Veja, no entanto, apresenta outra razão a partir das vasculhações de um pai de adolescente colega do atirador.

O Cartas Proféticas já analisou este fato mostrando que seu movimento se deu desde o contexto de golpe de Estado fundado no fundamentalismo e do próprio fascismo (releia aqui).

Leia abaixo a relação dos assassinatos praticados pelo adolescente atirador com o nazismo alemão.

Fatos como os que se vê pela mídia com atos brutais praticados por fascistas e nazistas que invadem o Congresso Nacional, salas de aula e até igrejas para provocar tumultos e barbárie inspiram a violência em mentes predispostas.

Leia abaixo o que escreveu Eduardo Gonçales da Veja.

Colabore com o Cartas Proféticas que analisa as notícias, busca os nexos com o todo, com as causas e os efeitos e critica  propositivamente.

Adolescente usava perfil no Skype com o codinome Adolf e tentava convencer os amigos da mesma idade que o nazismo havia sido positivo para a humanidade.

O adolescente de 14 anos que disparou em plena aula nos colegas de classe no colégio Goyases, em Goiânia, matando dois e deixando quatro feridos, usava um perfil no Skype com o codinome Adolf e tentava convencer os amigos da mesma idade que o nazismo havia sido positivo para a humanidade.

Logo depois do ocorrido, o pai de um dos melhores amigos do jovem decidiu vasculhar as conversas que o filho mantinha com o atirador na internet e se deparou com as mensagens divulgadas abaixo. Pelo teor do bate-papo, travado entre abril e outubro deste ano no Skype, é possível concluir que o garoto tirava tais ideias de sites de notícias falsas e de teorias da conspiração, como as que propagam que o holocausto dos judeus foi uma farsa e que as imagens dos campos de concentração foram montadas.

Na conversa, o amigo tenta demovê-lo desses pensamentos, mas ele os justifica citando blogs, vídeos e fotos que fazem apologia ao nazismo. Em um momento, chega a dizer que o sueco Felix PewDiePie Kjellberg, um dos youtubers mais famosos do mundo, é nazista. Kjellberg, que faz vídeos sobre games, envolveu-se em uma polêmica em fevereiro deste ano ao veicular em seu canal piadas antissemitas. Depois, ele se justificou dizendo que tudo não passou de uma brincadeira. Youtubers têm como principal público alvo adolescentes da idade do atirador.

 

Para os amigos mais próximos, no entanto, ele se comportava de maneira diferente. Segundo eles, o garoto desenhava o símbolo da suástica em seu caderno e no braço e, quando era alvo de brincadeira dos colegas, costumava ameaçá-los. “Vou matar você e sua família”, dizia ele. Os colegas, no entanto, nunca as levaram a sério.

O pai do amigo do adolescente também relatou que no início do ano o seu filho lhe trouxe um desenho em quadrinhos com diversas suástica feito pelo atirador. Ele se assustou ao ver a imagem e explicou ao filho que aquilo era errado.

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de que o garoto abriu fogo contra os colegas porque era alvo de bullying. Dois dias antes do crime, um dos estudantes mortos havia lhe trazido um desodorante — ela era chamado na sala de “fedorento”. O delegado Luiz Gonzaga Júnior disse que por ora não considera relevante para o caso as posições políticas do garoto, mas que o Instituto de Criminalística deve traçar um perfil psicológico sobre ele para entender quais foram as  motivações do crime.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.