bolsonaro_mentiroso em israel

A mentira geradora de desgraças é a filosofia de Bolsonaro e do governo dele

O capetão, filho do pai da mentira, tem a falsificação da verdade como tática de enganar o país e de atacar adversários.

A última mentira que o irresponsável e delinquente que ocupa a presidência da república, que chegou lá através de uma  campanha eleitoral que inventou facada, febres, falsas justificativas para empregar pessoas em seu gabinete de deputado, para esconder Queiróz,  laudos e atestados médicos para fugir de debates, foi culpar o IBGE pelo fracasso de suas políticas econômica, internacional e comercial.

De acordo com informações divulgadas por aquele órgão, o índice de desemprego subiu para 12,4% no trimestre findo em fevereiro, chegando a 13,1 milhões de pessoas.

Segundo o IBGE o percentual era de 11,6% no trimestre anterior. O aumento do desemprego captado pela pesquisa é por causa  da entrada de 892 mil pessoas na população desocupada.

Isto é, a política econômica desastrada, irresponsável e de submissão aos Estados Unidos e de subserviência aos apetites do mercado, que sempre lasca os trabalhadores em primeiro lugar antes de cortar em sua própria carne, causa danos na produção e no trabalho.

Como Bolsonaro e os seus ministros são desonestos, procuram culpados em quem pesquisa, como se um médico fosse culpado por encontrar as causas de uma doença.

Também, num misto de mau caráter, ignorância e má fé com a própria história,  o chanceler Ernesto Araújo, uma anta nas relações exteriores, mentiu que o nazismo é de esquerda. Confirmando que o discípulo do charlatão Olavo de Carvalho usa a mentira com cara de religião para enganar o mundo, o capetão na presidência o homologou  em sua visita inútil a Israel dizendo que o nazismo é de esquerda.

Não há dúvidas de que os estrategistas falsificadores incentivam o Bozo a mentir, preparando o ambiente para jogar o terrorismo sobre o lombo dos progressistas e de setores da esquerda, que esse desgoverno semeia com sua política de ódio e de guerra jogando uns contra os outros.

Querer dizer que o nazismo, essa praga que dizimou a Alemanha, matou 6 milhões de judeus e aniquilou as vidas de cerca de 20 milhões de pessoas com sua segunda guerra mundial, que poderá produzir terror aqui no Brasil com matanças através de milicianos, esquadrões da morte, atos fundamentalistas contra o povo,  serão atribuídos à esquerda.

Um dos compromissos do mentirão do Brasil, em seu turismo provocador  e facciosa a Israel foi ir ao Yad Vashem, o museu mundial do Holocausto, que explica como 6 milhões de judeus foram assassinados pela Alemanha nazista de Hitler. “O site do museu traz a história do Holocausto e a ascensão do nazismo da Alemanha. De acordo com o site, o Partido Nazista teve origem em grupos radicais de direita”, informa a Agência Reuters.

“Hitler e o Partido Nazista chegaram ao poder devido a circunstâncias sociais e políticas que caracterizaram o período entre-guerras na Alemanha. Muitos alemães não podiam admitir a derrota de seu país na Primeira Guerra Mundial, argumentando que ‘traições’ e a fragilidade na retaguarda paralisaram e, eventualmente, causaram o colapso na frente de batalha”, descreve o museu em seu site em um texto em inglês.

“Essa frustração, junto com a resistência intransigente e alertas sobre a crescente ameaça do comunismo, criou solo fértil para o crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha, gerando entidades como o Partido Nazista”.

Acesse abaixo o site judaico que explica a origem do nazismo, alvo de mentiras do nazifascista capetão e do seu crente fundamentalista Ernesto Araújo.

Não pense nem demore, apoie o projeto Cartas Proféticas. Clique aqui e acesse a conta para contribuir. Muito obrigado e abraços. 

Leia também:

O capetão Jair Bolsonaro expõe o Brasil a vexames e se mostra um terrorista;

Um jovem é esperança porque não se deixa trair pelo entorno bolsominion nem engolir pelo “vamos nessa, cara”!

Manifesto da Igreja Católica Anglicana com vistas ao golpe militar e a reforma da Previdência;

Renúncia ou impeachment?

A blasfêmia de Jair Bolsonaro: que “Deus” acima de todos? (Por Leonardo Boff);

O eixo mentiroso, canalha e golpista da nota das forças armadas sobre o golpe de 1º de abril de 1964;

Deixe uma resposta