anjos_nazista

A morte em massa é cria do mercado adotada por Bolsonaro e tonificada com as receitas necrófilas de Nelson Teich

Por Dom Orvandil.

Na conjuntura sombria de morte ampla e de massas pela expansão do coronavirus,  é necessário e fundamental que nos assessoremos de conhecimentos – bem mais do que meras informações midiáticas e das redes sociais.

O esforço coletivo deve se impor em nossa consciência ética e buscado com cuidado e zelo. O conhecimento crítico, sério e rigoroso, que ultrapassa os mitos, as lendas, as receitas compartilhadas pelo what’s app e pelos vizinhos, vem ao nosso encontro, basta que abramos as portas de nossa mente para que ele atue e desaloje informações e preconceitos,  a todos os momentos “vomitados” de propósito sobre nós.

Ontem  – 17/04/2020 – tive a honra de participar por quase 5 horas de um fórum internacional web esclarecedor, que me possibilitou aprofundar a compreensão de que esta pandemia é menos importante do que o que a causa, e que mata aos milhões.

Informações esclarecem que os monopólios acumularam até agora trilhões de dólares em armamentos e na indústria farmacêutica, com o objetivo de usar pesquisas e vendas de remédios para enriquecer ainda mais os magnatas que se pretendem donos do mundo, que usam  populações inteiras como escravas consumidoras de drogas produzidas com fins meramente comerciais.

Com isso, bloqueios econômicos como os impostos pelos Estados Unidos à Cuba, Venezuela, Irã, Síria e à República Popular Democrática da Coréia objetivam imolar populações inteiras, contaminadas pelo coronavirus, pela fome e pela miséria.

Vivemos a decadência gigantesca do sistema que produz, alimenta e usa a morte como política de proteção dos macros interesses genocidas. Nem as viagens espaciais, com loteamento da lua,  escapam da disputa imperialista que, além da terra,  objetiva se adonar do ceu.

Interessado em conhecer e aprofundar o conhecimento sobre a ilusão que foi o  latifundiário do agronegócio, Luiz Henrique Mandetta, e da participação do oncologista do miliciano Jair Bolsonaro, o “médico” mentiroso e anti ético que esconde a falsidade da facada, no projeto da política de morte implantada no Brasil com o golpe de Estado de 2016, assisti hoje a bela entrevista de um homem sério e científico, o doutor (doutor mesmo, com doutorado), médico Arthur Chioro, ex ministro de Estado da Saúde do Brasil.

Chioro aprofunda em sua entrevista, que pode e deve ser assistida aqui, a minha análise sobre a farsa do papel do “médico” ruralista Mandetta.

Ao contrário do que a mídia infla na opinião pública, esta desapetrechada de conhecimento mais profundo, o “seo” Luiz Henrique antecipou o genocídio ao votar no golpe em 2016, ao ser influente na aprovação da PEC 95, que emagreceu a saúde pública, com trilhões de reais retirados do SUS e da proteção do povo. Depois, o farsante bem falante,  aprovou a política necrófila miliciana, a de Jair Bolsonaro ao mentir, caluniar, perseguir e expulsar do Brasil os maravilhosos médicos cubanos e de outros países, expondo populações inteiras às doenças, às contaminações e à morte em massa.

Como ator no ministério da saúde, o “seo” Mandetta mentiu contumazmente usando de discurso demagógico e vazio, pousando de bom moço com interesses políticos do partido dele, com intenções eleitorais para 2022.

A atuação do farsante serviu muito mais para esconder a política de morte que ele e o protofascista Jair Bolsonaro desenvolveram todo o tempo no desgoverno do país.

O doutor Arthur Chioro afirmou, de modo tranqüilo e inteligente,  que Luiz Henrique Mandetta usava jaqueta do SUS como encenação hipócrita e não com espírito patriótico na defesa da estatal que poderia nos salvar a todos, fazendo antes e nos bastidores o contrário,  para desmontar e esquartejar essa nossa poderosa instituição pública.

Pior ainda é o empresário,  picareta e criminoso – por proteger a mentira da facada com o objetivo de enganar o povo brasileiro – Nelson Teich.

Este senhor, com cara e rigidez física  de Josef Mengele,  o apelidado de “anjo da morte”, responsável pelo  campo de concentração nazista de Auschwitz de 1943 a 1945, nefasto e falso cientista, que injetou cinzas, gasolina, fezes, urinas e outros produtos nas veias dos judeus, ciganos, africanos, comunistas etc, é preposto no governo pelo mercado da saúde:  rede de laboratórios, planos de saúde, hospitais e remédios com fins de geração de lucro, é ainda pior.

O “seo” Teich já declarou, em nome da escravatura da mão de obra jovem pelo mercado, que há de se fazer seleção entre os idosos, que devem morrer por serem caros para o sistema público de saúde e inúteis para a produção, e os adolescentes e jovens contaminados, usáveis pela engrenagem perversa da exploração.

Chioro denuncia em sua competente entrevista que o lacaio do mercado não conhece o Estado nem a saúde pública, já que a alma necrófila  dele é totalmente infestada pelo dinheiro fétido do capitalismo, que se nutre da morte dos trabalhadores, velhos e pobres.

As noticias complementam a visão que devemos ter do peão do mercado neoliberal no ministério da saúde. O “seo” Nelson, o oncologista da farsa da facada em Juiz de Fora, é blindado por militares impatrióticos, que o segurarão no cumprimento das tarefas impostas pela necropolítica (política da morte), como bem denomina  o doutor Arthur Chioro todo o projeto miliciano e fascista da máfia que o golpe do mercado colocou no governo para matar o povo brasileiro.

Então não é o coronavirus  o principal genocida em massa. A morte é gerada nos laboratórios dos porões dos monopólios que dominam o mercado neoliberal. Os coronéis internacionais já disputam fraticidamente os lucros que tentarão concentrar com a indústria farmacêutica, detentora da maior acumulação de pesquisadores e técnicos, explorados ao máximo na descoberta e comercialização de vacinas e de remédios caríssimos contra o vírus sub assassino.

Diante do atual Estado com projetos “necropolíticos” há 3 posições. Eu me oriento por uma delas.

Uma é a do fascismo adotado pelo mercado e imposto como política de governo contra  a vida do povo brasileiro.

A segunda é a de uma massa informe composta de alienados, que compra a propaganda midiática da burguesia de que não devemos gostar de política. Parte dessa massa de manobra é uma minoria disposta a contribuir com a morte. São fundamentalistas e fascistas escravocratas. Seu sentimento é o ódio profundo e assassino.

A Terceira linha é a das pessoas de boa vontade, que buscam estudar, se informar e a acumular conhecimento real da realidade. Estas não se orientam por fofocas, pela mídia comercial nem pelas bobagens das redes sociais. São pessoas imbuídas da ciência e não de fantasias fundamentalistas. O conhecimento para  essas pessoas não é consumo burguês, mas capacitação para a luta coletiva no enfrentamento e mudança desse sistema da morte.

Eu estou nessa frente de lutas. Minha vida é entregue à luta contra o verdadeiro autor do genocídio e amante de pandemias, o neoliberalismo.

O neoliberalismo se articula com o fascismo e com o nazismo porque é genocida por natureza.

Minha base de enfrentamento  é o  Congresso Nacional de Lutas Contra o Neoliberalismo.

Acesse também e compartilhe:

– Dicas para convivências no deserto do isolamento social (1);

– Dicas para convivências no deserto do isolamento social (2): “O diálogo”.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

5 Comentários

  1. "A morte em massa é cria do mercado adotada por Bolsonaro e tonificada com as receitas necrófilas de Nelson Teich". Ajude-nos a alavancar fortemente o Cartas Proféticas compartilhando somente a chamada e o link desta postagem: http://cartasprofeticas.org/a-morte-em-massa-e-cria-do-mercado-adotada-por-bolsonaro-e-tonificada-com-as-receitas-necrofilas-de-nelson-teich/

  2. Quando o capitalismo entra em parafuso sem volta e de genocídio esta reflexão tem por objetivo fortalecer a fé na nova humanidade. Compartilhe, por gentileza. Abraços fraternos e solidários: https://youtu.be/LvhBOPHOaus

  3. "Pastor evangélico sério e cristão denuncia a participação genocida de falsas igrejas criminosas em apoio ao miliciano Bolsonaro". Ajude-nos a alavancar fortemente o Cartas Proféticas compartilhando somente a chamada e o link desta postagem: http://cartasprofeticas.org/pastor-evangelico-serio-e-cristao-denuncia-a-participacao-genocida-de-falsas-igrejas-criminosas-em-apoio-ao-miliciano-bolsonaro/

  4. […] – A morte em massa é cria do mercado adotada por Bolsonaro e tonificada com as receitas necrófilas d…. […]

  5. […] – A morte em massa é cria do mercado adotada por Bolsonaro e tonificada com as receitas necrófilas d…. […]

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.