repblica_fofocas

A república da Fofoca

Douglas Bucalem*

O governo Bolsonaro não consegue seguir o ideário republicano. Apesar de ter prometido governar para todos os brasileiros, o que acontece na pratica é um pensamento retroagido aos tempos da “guerra fria”. O presidente, já no seu discurso de posse, patrocinou uma volta a luta entre capitalismo X comunismo, prometendo livrar o Brasil da era “socialista”. A afirmação assustou todos os brasilianistas do mundo. Naquela época eu pensava que tal afirmação era apenas uma peça de marketing de um governo de direita. Hoje constato que, na realidade, nosso maior mandatário, acredita nisso mesmo. 

O pensamento republicano professa a igualdade de tratamento e respeito aos opositores. Quem ganha as eleições, passa a governar com igualdade todos os cidadãos. Governo e estado se fundem para administrar com isonomia a máquina estatal. Não é isso que acontece nesse governo. 

O governo atual define suas preferencias, isola opositores ao governo e privilegia seus apaniguados sem cerimonias. A tentativa de nomeação de um filho do presidente para a embaixada mais importante estrategicamente, atesta um ambiente de corte, como acontece nas monarquias mais absolutistas.

Até governadores são afrontadamente preteridos: com a Paraíba e o Maranhão não tem conversa! A esquerda é demonizada constantemente pela fala presidencial. Servidores públicos são atacados no exercício de suas atividades e instituições do próprio governo são desmoralizados para favorecer interesses obscuros, vide FUNAI e IPEA.

Leia e compartilhe: Padre quebra o paradigma da idiotice ululante para pensar Jesus sorridente sambando na Mangueira.

O que mais me assusta é a “conversa de lavadeira” vinda de um Presidente da República. Diz saber de tudo…como aconteceu e tal. Agora vai ter que responder ao STF e a sociedade. O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, protocolou na tarde desta última quarta-feira, dia 31, uma ação no STF em que pleiteia a notificação de Jair Bolsonaro para que esclareça as declarações feitas sobre a morte de seu pai, Fernando Santa Cruz, desaparecido durante a ditadura militar. 

É comum pessoas de baixo nível usarem esse subterfúgio ao desviar a atenção para atingir a pessoa no que ela tem mais sagrado: a sua família. Mesmo que custe caro para o Brasil novamente, a bandeira do impeachment tem que ser levantada. Esse Senhor que ocupa a presidência não tem condição nenhuma de estar exercendo esse cargo.

A ação do presidente da OAB conclui que “não é demais lembrar que ao Presidente cabe especialmente o dever de comunicar eventuais informações sobre a prática de crimes e graves violações. Ou o Requerido apurou fatos concretos sobre o citado crime contra o genitor do Requerente e, nesse caso, tem o dever funcional de revelá-los, ou, também grave, pratica manobra para ocultar a verdadeira identidade de criminosos que atuaram nos porões da ditadura civil-militar, de triste memória.”

*Correspondente da Rádio Líder FM e Jornal da Manhã

Acesse, leia e compartilhe: Índio novamente tutelado; 

Chimarrão Profético: “O que a lava jato com Moro e Dallangnol deram ao Brasil?”

Acabou a fase do bom “mocismo”: não aconteceu eleição, não temos presidente, foi tudo farsa!

Ex militantes da APML escancaram quem é terrorista e assassino ao responderem aos delírios do miliciano Jair Bolsonaro;

Enquanto Bolsonaro tiraniza a memória de um herói, Lula se solidariza com o filho que tem o pai mais uma vez assassinado;

O nojo de Míriam Leitão por Jair Bolsonaro;

Anápolis, a cidade que mais cresce no Brasil;  

Cidadania: “Com Prof. Adelmar Santos de Araújo: educação pública”.

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.