cristãos_progressistas

Apesar das cinzas dos que negam Jesus para se aliar ao ódio assassino de Jair Bolsonaro,  levantam-se os verdadeiros cristãos

Um grupo de cristãos em São Paulo pulsa o espírito da páscoa libertadora.  Ao contrário dos celebrantes de altar, dos pregadores de templos luxuosos, de cultos e missas destinados a sufocar a energia vital e a consciência dos trabalhadores, arrancando-lhes os dízimos de dinheiro suado de quem perde empregos, aqueles, encharcados pela Páscoa, levantam-se pelo conhecimento da realidade e pela luta por transformá-la.

Ao contrário dos alaridos alienantes, dos apelos falsamente emocionantes para impressionar pessoas sofridas e afundadas no desespero, embora buscando paz nas igrejas, os cristãos de São Paulo são uma igreja de Deus em movimento e nos movimentos sociais.

Os cristãos progressistas de São Paulo entendem que “o tempo pascal que se concretiza em nós é sinal na história do povo e se faz presente, sacramentalmente, no corpo, nos sonhos e nas comunidades humanas. A força da Páscoa se manifesta no desejo do povo em opinar sobre as decisões do Estado, expressar isso livremente e ser levado em consideração. Por isso, reivindicamos uma democracia ampla, plural, participativa, que afirme e respeite os direitos dos pobres e excluídos, contra toda forma de intolerância”, dizem na carta aberta do povo de Deus para a páscoa de 2019.

Compreendem que a Páscoa não é coelhinho que põe ovos de chocolate, como alardeia o mercado mentiroso nem é a memória de um cadáver que revive em “conversões” fantásticas de quem continua alienado e insensível para os sofrimentos dos que passam fome, miséria e afundam no desemprego. Não, “a Páscoa insiste em acontecer em nós, mesmo sabendo que, de 2017 para cá, o Brasil registra o aumento da pobreza extrema; crescem as taxas de mortalidade infantil; 15 milhões de Brasileiros vivem com US$ 1,90 por pessoa/dia. Cremos que a nossa vida nunca se apaga, ao contrário, ela reluz, renasce, frutifica, dá vida nova e nos dá coragem…”.

Leia abaixo a íntegra da carta dos cristãos progressistas do povo de Deus para a Páscoa de 2019.

Não pense nem demore, apoie o projeto Cartas Proféticas. Clique aqui e acesse a conta para contribuir. Muito obrigado e abraços. 

Veja também e compartilhe:

Entrevista com o Presidente da CUT-GO, Mauro Rubem;

Enquanto pastores, padres, bispos e cardeiais mentem em apoio à Bolsonaro, no extermínio dos pobres, cristãos se levantam como profetas;

José Padilha, mais um arrependido no apoio à Sérgio Moro, o empacotador dos milicianos de Bolsonaro;

É estarrecedor ditos intelectuais votarem no capetão Bolsonaro. Bom que muitos se arrependem!

CARTA ABERTA DO POVO DE DEUS PARA A PÁSCOA DE 2019

PADRES, LEIGOS, LEIGAS, RELIGIOSOS E RELIGIOSAS DE UMA IGREJA POVO DE DEUS EM MOVIMENTO

A Campanha da Fraternidade 2019 que teve como tema Fraternidade e Políticas Públicas, salpicou em terras brasileiras encharcadas pelo suor de todas as pessoas que se empenham na luta pelo direito e pela justiça, um grito de esperança.

O tempo pascal que se concretiza em nós é sinal na história do povo e se faz presente, sacramentalmente, no corpo, nos sonhos e nas comunidades humanas. A força da Páscoa se manifesta no desejo do povo em opinar sobre as decisões do Estado, expressar isso livremente e ser levado em consideração. Por isso, reivindicamos uma democracia ampla, plural, participativa, que afirme e respeite os direitos dos pobres e excluídos, contra toda forma de intolerância.

Entendemos as redes, grupos, movimentos, escolas populares e tantas outras ações coletivas ligadas à luta do povo como síntese de que se conduz uma nação sem inimigos internos, como vem sendo feito com Movimentos Sociais e Sindicatos – como insiste o atual presidente da república -, e sim, escutando esses, fazendo reverberar politicamente suas experiências, e não excluindo os conselhos de participação popular vindos do chão da sociedade.

A Páscoa insiste em acontecer em nós, mesmo sabendo que, de 2017 para cá, o Brasil registra o aumento da pobreza extrema; crescem as taxas de mortalidade infantil; 15 milhões de Brasileiros vivem com US$ 1,90 por pessoa/dia. Cremos que a nossa vida nunca se apaga, ao contrário, ela reluz, renasce, frutifica, dá vida nova e nos dá coragem de dizer:

  1. Não queremos Reforma da Previdência Social, com seu suposto déficit, pois defendemos a solidariedade social, princípio da Doutrina Social da Igreja. Num país onde a expectativa de vida em periferias chega à 59 anos, não aceitamos a proposta do governo quer que seja de 63 anos o direito a aposentadoria, onde milhares vivem com o BPC – Benefício de Prestação Continuada e o presidente quer cortá-lo.
  2. Repudiamos a precarização do SUS – Sistema Único de Saúde -, política pública que garante acesso gratuito a toda população e que atores econômicos vêm subfinanciando para fortalecer os convênios particulares. Queremos um SUS 100% público e gratuito.
  3. Denunciamos os cortes absurdos nas políticas de Assistência Social, sobretudo na Cidade de São Paulo, onde a prefeitura vem reduzindo valores de investimento sem justificativa, precarizando o atendimento de jovens, crianças, adultos, pessoas em situação de rua, idosos, e tantas pessoas que necessitam do mínimo de acolhimento, cuidado e escuta.
  4. O problema da violência é real, o debate dominante é falso, feito para favorecer a repressão e implementar leis mais drásticas (leia-se “criminalização”), ao invés de ir à raiz da violência, que está em problemas urbanísticos como distribuição de renda, trabalho, moradia.

Por isso, mobilizamos os cristãos a serem sinais pascais – vida que enfrenta a morte -, denunciando este mercado que sempre traz a justificativa fácil para se retirar empregos e dificulta o direito constitucional à moradia. Como afirmou o Papa Francisco, “Uma fé autêntica – que nunca é cômoda nem individualista – comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, de transmitir valores, de deixar a Terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela” (EG, nº 183).

Feliz Páscoa – Germina em nós esperança e ousadia, espírito crítico que carrega consigo o amor, a partilha e a luta pela digna passagem de todos nessa terra. Encarnando nossa vocação definitiva em ser húmus: ‘Se o grão não cair na terra e morrer, não germinará’.

Igreja – Povo de Deus – em Movimento.

São Paulo, Páscoa de 2019.

Deixe uma resposta