mulheres-contra-bolsonaro

Ataques à sua página faz as mulheres unidas contra Bolsonaro reforçarem a luta

Li no Rede Brasil Atual  que a página do movimento  de “mulheres unidas contra Bolsonaro” no Facebook foi atacada, alterada e tirada do ar. O fato gerou repercussão incentivando ainda mais o movimento, fazendo com que o grupo acelere sua luta em todo o país,  além de chamar a atenção do mundo para o fascismo cheio de ódio que Bolsonaro e seus seguidores despeja na sociedade brasileira.

Quer dizer, assim com o candidato, mesmo entre a vida e a morte,  hospitalizado em São Paulo, tem o desplante de agredir a opinião pública com o gesto com os dedos das mãos em forma de arma em tiro, os seus seguidores, inclusive dentro de igrejas, não cessam a hostilidade golpista, de má fé e de destruição dos laços democráticos e fraternos do povo braseileiro.

O movimento de “mulheres unidas contra Bolsonaro” já avisou que a luta não é contra a pessoa do esfaqueado pelo seu próprio ódio, mas contra a guerra que ele semeia de roldão na sociedade brasileira.

As ações fraticidas que o bolsonarismo incentiva no Brasil não são brincadeiras. O nazifascismo, doutrina que os seduz, destruiu a Alemanha e a Europa inteira, levando o mundo à segunda guerra mundial e as feridas até hoje sangram, sem fecharem.

As desavenças a partir de pessoas possessas de ódio irracional toma conta de todos os setores sociais. Nos prédios residenciais, nas igrejas, nas filas de bancos, de supermercados, metrôs, estações de trens e de ônibus, aeroportos, famílas em suas reuniões corriqueiras são infestados pelo mau odor e pelas agressões provocadas por bolsonaristas. Aqui em Goiânia pai matou filho e se suicidou, tal a incorporação do ódio.

As mulheres têm toda a razão na luta contra o bolsonarismo assassino e pai da guerra. Como esposas, mães, sogras, vós e profissionais, notadamente as das áreas da educação com professoras agredidas por alunos boslonaristas e até assassinadas as mulheres são fatores reconhecidos e indiscutíveis na luta contra a barbárie.

O movimento acabará por salvar até o esfaqueado do ódio do qual é pai e à sua própria família. A prova está no retorno da página no Facebook com milhares de  novas adesões.

Colabore com o Blog

Deixe uma resposta