assassinados de bolsonaro

Atentados, feridos e mortos pela ideologia de Bolsonaro nos chamam ainda mais à luta e à resistência ao fascismo!

Em Curitiba, onde Sérgio Moro, o peão sujo do imperialismo, instalou sua republiqueta cloacal, na última  quarta-feira (3) José Carlos Oliveira Matos – ou Cacá como era conhecido pelos amigos por seguidor de Bolsonaro, foi assassinado covardemente sem defesa.

Cacá foi morto por ser homossexual. O assassino exclamou “viva Bolsonaro”, expressando alegria e homenagem a quem idolatra e que o inspira à barbárie contra o próximo (leia aqui).

Já na madrugada do dia 08 de outubro o grande mestre negro, axé e mestre de capoeira Moa do Catendê, um alimentador de cultura em defesa dos negros e dos afro descentes, da justiça social e da democracia, foi atacado em Salvador, Bahia, covardemente pelas costas por um partidário de Bolsonaro (leia aqui).

No dia 07 à tarde, em Pernambuco, dois “homens”  agrediram uma jornalista branca de 40 anos e a ameaçaram de estupro no momento em que saía do local de votação, no bairro de Campo Grande, Zona Norte do Recife. Segundo  relatou dela à Polícia, um deles vestia camisa do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL). O motivo da agressão, de acordo com a profissional, seria o fato de ela ser jornalista (leia aqui).

Em sua conta no Facebook Anielle Franco, irmã da vereadora Marielle Franco, assassinada pelo fascismo,  narra ameaças que sofreu quando carregava ao colo sua filhinha de dois: “hoje, com minha filha de dois anos no colo, andando na rua, próximo a um shopping, sem nenhum adesivo, nenhum broche, nenhuma camisa, nenhuma bandeira (era só eu e Mariah, ela com roupa de creche e eu com roupa de trabalho) recebi gritos na minha cara – Repito: Gritos na minha cara – e consequentemente na dela (que ficou assustada, claro). Gritos de que eu era “da esquerda de merda”,  “sai daí feminista”, “Bolsonaro… Piranha” de homens devidamente uniformizados com a camisa do tal candidato” (leia aqui).

É evidente que meus amigos e minhas amigas já leram muito sobre essas noticiais de teor catastrófico e assustador.

O meu objetivo em alinhar esses 4 fatos é o de refletir e analisar  que isso não acontece por acaso e que por acaso também não deve receber nossa repulsa e nossa resistência.

São 4 fatos que denunciam elos de ligação a partir de um núcleo gerador, entre centenas de outros.

Matam os homossexuais por preconceito e medo, os jornalistas com a intenção de impedir a verdade, os negros e axés por desumanidade e desrespeito cultural e religioso e à jovem mãe e trabalhadora  pela tentativa de apagar a chama da luta e da resistência.

São 4 razões que devem ser rechaçadas por nós lutadores e lutadoras.

Mais, a tendência disso aumentar é fatível. Faz parte do projeto fascista do centro de operações de apoio a Jair Bolsonaro.

Há um comitê organizado com apoio e ferramentas técnicas vindas dos Estados Unidos para atingir a meta de destruição da nossa resistência democrática para que nosso país seja definitivamente tomado por corporações poderosas estrangeiras (sobre este artifício acesse também aqui).

Ah, mas se isso acabar fazendo de nosso povo, na sua maioria, miseráveis e pobres como em Biafra e no Haiti?

Sim, claro que poderemos nos tornar todos mortos de fome sobre os poços de petróleo, de pré sal, de terras férteis e sedentos em cima da água doce entregue para a Nestlé, para a Coca Cola e outras empresas multinacionais.

É bom que entendamos que as questões humanas e sociais não preocupam nenhum bocado os poderosos e o fascismo de Jair Bolsonaro. Para eles, morrermos bichados, podres, doentes e ignorantes tanto faz.

Por isso,  quem defender o Brasil na mobilização de  barrar a tentativa do bolsonarismo, defensor dos privilegiados e criminosos, se coloca na linha contraria dos ameaçadores e assassinos, mas no caminho justo de quem não aceita a tendência deles de tomar o poder para acabar como nossa felicidade e com nossa paz.

Ah, mas isso é perigoso!

Sim, é.  Só que os riscos por parte de quem luta, no enfrentamento de bandidos, fascistas e assassinos, como os exemplificados,  são menores do que os que sobreviriam sobre todos se a desgraça satânica vencesse o segundo turno.

Alguns de nós tombaremos nessa luta, mas com nosso sangue irrigaremos o renascimento do Brasil.

Quem se acovardar e fugir de luta por medo abrirá caminhos para o terror e fará a vontade dos delinquentes apoiadores de Bolsonaro.

Nossa luta terá que ser organizada, ousada e em massa. O que o presidente da CUT disse sobre tomar as ruas para vencer o fascismo com a vitória da democracia e do bem tem que ser cobrado dessa esquerda que só pensa em eleições.

Lutarmos e salvarmos o Brasil ou só nos restará aguardar a total deteriorização da vida e dos bens brasileiros.

A admirável Anielle tem razão sobre defender a postura corajosa da luta. “Bom, não estou escrevendo pra que ninguém tenha pena. Mas para que repensem a sua maneira de fazer política. Por conta de um antipetismo vcs preferem propagar o ódio e a violência?! O seu candidato, em suma, defende esse tipo de postura, e outras coisa bem piores! Pensem bem!

Por fim, seguimos na luta! Por aqui vai ter luta sim! Hoje e sempre. Na verdade sempre teve. Nossa luta vem de muito antes disso tudo. Essa luta não acaba dia 27. Nem hoje, nem ano que vem, nem muito menos em 2020. Ela vai muito além. Ela se intensifica. Ela vira pública. Ela ganha força, apoio e forma!

É só pararem de nos matar!!!!!”, conclama a jovem irmã de Marielle.

Claro, os bandidos de Jair Bolsonaro não pararão de nos matar somente porque pedimos, mas porque avançaremos organizados sobre eles.

Os fascistas têm medo do povo. Eles só atuam quando o povo sente medo e se esconde.

Colabore com o Blog

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *