damares_delegado

Damares Alves é a melhor representante dos evangélicos fundamentalistas e neopentecostais: alienada, subinteligente, mentirosa e intelectualmente desonesta

A dona Damares Alves, aquela famosa subjetivista do pé de goiabeira, é a mais autêntica representante do que são os evangélicos fundamentalistas e neopentecostais.

A própria marola da goiabeira os representa. Ela, uma guria de 10 anos de idade, quase na adolescência, foi estuprada sucessivamente várias vezes por dois servos do Senhor (kkkkkk, eu, hein?) sem nada contar as seus pais. Ou se contou,  foram coniventes com os abusos porque os servos do senhor  eram mais poderosos do que eles, por isso nada fizeram.

Solução? Inventar um pé de goiabeira de modo dramático com saquinho de veneno, uma de ideia de suicídio e com Jesus escalando o seu tronco e galhos.

Nesta historinha mirabolante, típica do dramalhão inculto e sem exegese de “pregadores” fundamentalistas que, se descolam da realidade com total facilidade, colorindo e dramatizando com lágrimas, gestos e palavras os seus discursos, tocando em dezenas de pessoas abusadas nas platéias, comovidas com os pontos de toques do emaranhado de bobagens sem pés nem cabeça que saem das bocas neurotizadas, como a dona Damares e o seu Jesus do pé de goiabeira.

Gente como a dona Damares e sua canalha fundamentalista neopentecostal toma a Bíblia como pretexto. Depois de leituras mal feitas cobrem-na com as sombras do terror  de seus preconceitos, de suas mentiras, de seus tais “títulos bíblicos” de bacharel, mestrado e doutorado onlines, sem a menor profundidade e credencial, com sua total e absoluta desonestidade intelectual, agressividade irresponsável, sem a menor idéia do que os textos originais querem dizer.

Por isso a imbecilidade de inventar uma historinha sobre Jesus, assassinado pelo império romano há mais 2000 anos, mas que vira jovem subindo numa goiabeira para dar espetáculo para a dona Damares Alves, atualmente desesperada por sexo, tanto que postou seu nome num site de relacionamentos.

E assim vai. Todos os dias milhares de pessoas enchem os templos fundamentalistas e neopentecostais para serem lavageadas pelas mentiras e pela desonestidade intelectual dos donos de boiadas, sempre prontos a usá-las como moedas de trocas nos negócios milicianos.

A prova a própria dona Damares Alves dá. A também denominada pastora, a mais apropriada ministra do governo miliciano do nazifascista Jair Bolsonaro – é bom lembrar que entre os fundamentalistas  qualquer pessoa pode ser  pastora, basta fazer umas enroladas para fingir falar língua estranha, praticar curandeirismo, dizer que é cheia do Espírito Santo e, principalmente, convencer as pessoas a serem assaltadas em nome do dízimo é bom – conseguiu que o miliciano Sérgio Moro nomeasse um criminoso e terrorista para assessorá-la em seu gabinete.  

O grande jornalista Marcelo Auler narra em seu blog a nomeação e o mau caráter do meliante nomeado pela mulher da goiabeira, que vive fora da realidade como o Jesus dela.  “Chefer Neto ficou famoso em maio do ano passado ao destruir a aparelhagem de som montada na Vigília Lula Livre, 27 dias depois da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Morador no bairro de Santa Cândida, onde fica a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, alegou que o barulho da perturbava o sossego de sua casa e não permitia o sono de seu filho. Com isso, mostrando-se totalmente sem equilíbrio, partiu para a violência”, descreveu Auler.

O amado da dona Damares – será que ela casará com ele? – além de apresentar quadros mentais comprometidos – isso é de respeitar em qualquer pessoa, o problema é o mau caráter e o fascismo dele – para o que a dona Damares, imersa na sua desonestidade intelectual, não releva.

De modo geral essa turma vive fora da realidade, atraída por devaneios e encantamentos pessoais e autosatisfazedores.

Leia a íntegra desta notícia no blog de Marcelo Auler Repórter.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.