desigualdade econômica

Escândalo e desumanidade dos ricos:”Desigualdade: relatório diz que 1% da população possui metade da riqueza mundial”

Tantos são os desamparos para o lado dos trabalhadores e dos pobres, todos excluídos das riquezas mínimas para a vida digna e, do outro, de cima pressionado para para baixo, os ricos e poderosos, que não trabalham e que vivem à custa da miséria e do sacrifío dos 99% da população mundial.

Apenas 1% da população do planeta possui nada menos do que a metade da riqueza mundial, destacou um novo estudo que mostra o fosso crescente entre os ricos e o resto dos cidadãos.

“De acordo com o Relatório de Riqueza Global de 2017, preparado pelo Instituto de Pesquisa do Credit Suisse, que foi lançado na última terça-feira, as pessoas mais ricas do mundo viram sua fortuna subir de 42,5% no auge da crise financeira, que começou em 2008, para 50,1% em 2017.

A participação de 1% seguiu uma tendência ascendente desde a crise, superando o nível de 2000 em 2013 e atingindo novos picos durante todos os anos desde então”, apontou o relatório.

Comparando os ganhos de riqueza entre países, os Estados Unidos continuam a liderar. Após a crise financeira, o país continuou sua série de vitórias ininterrupta e adicionou US$ 8,5 trilhões para a riqueza mundial.

Em contraste, o relatório apontou que a desigualdade continuou a aumentar no mundo. A riqueza caiu novamente este ano na África, na região da Ásia-Pacífico e na América Latina, e as previsões para os próximos cinco anos não são favoráveis.

De acordo com o estudo, a riqueza mundial continuará a crescer a uma taxa semelhante à da última metade da década e deverá atingir US$ 341 trilhões até 2022″, informa a agência Sputnik News.

Colabore solidariamente com o Cartas Proféticas,  que analisa criticamente as notícias, busca os nexos com o todo, com as causas e os efeitos.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.