Brasil saqueado

Festival de loucuras e irresponsabilidades no saque do Brasil

Todo o plano do golpe se mobiliza desde o início com dois objetivos cruéis,  que nenhuma pessoa suportaria acontecer em sua casa e em sua vida direitamente: um é o de vender o Brasil, pisando na nossa soberania e o outro é o de acabar com os direitos sociais populares e dos trabalhadores, incluindo os programas sociais.

Diante da desculpa da situação  crítica das contas públicas, o eixo mobilizador da máquina golpista do governo ilegítimo  é aumentar a velocidade ao máximo da venda de ativos. A área de infraestrutura pública –  estradas, portos, aeroportos, escolas, hospitais,  geração de energia dos vários tipos, despoluição de rios e lagos etc – mobiliza-se  para elaborar 1 gigantesco pacote de privatizações. Se as  vendas – entregas a preços de bananas como nos governos de FHC  –  forem pelos preços previstos, a arrecadação chegará a quase R$ 90 bilhões até o fim de 2018.

O resultado disso é a desproteção da qualidade de vida de nosso povo e o desossamento da soberania de nosso País, como já acontece que o desvio de investimentos nas forças armadas e a delapidação de sua missão de proteger nossas fronteiras, tudo como o previsto pelos golpistas, que não se movem por nenhum interesse em cuidar da segurança do Brasil frente a invasões e agressões externas, inclusive pelo pesado tráfego internacional de drogas, que tem como seus sujeitos banqueiros, industriais e fazendeiros poderosos.

A tragédia desse festival de privataria e negócios do Brasil é que as corporações e empresas compradoras se aramarão de “leis” e até guerrearão – literalmente favorecendo a indústria  de armamentos no banho de sangue de nosso povo – para não devolver o que é do povo e tem a ver com as vidas de todos/as.

Com informações dos sites Tijolaço e Poder 360.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.