professor_juarez

Hoje, 20 de novembro, é dia de refrescar a memória da luta libertária

Mesmo num dia praticamente santo por trazer a consagração da luta heróica de Zumbi, dos quilombolas, de todos os negros e de todas as negras que resistiram à colonização escravocrata e a dita civilização cristã, sem se conformarem com a anormalidade da desumanização, um professor foi agredido por ser negro.

Comemorado em várias cidades como Dia da Consciência Negra,  o “20” de novembro representa resistência ao turbilhão da escravatura e, hoje, soma-se à luta contra o novo colonialismo, o imperialismo internacional que se abate sobre negros, trabalhadores e pobres.

Foi por essa razão que o professor da Unesp Juarez Xavier foi vítima de crime de racismo, além de ser agredido com várias perfurações de canivete, por um “homem” em um estabelecimento comercial de Bauru.

Sem se intimidar, como convêm aos seguidores de Zumbi, o  professor se posicionou verbalmente aos ataques racistas, sendo  atacado  pelo “homem”,  que de posse de um canivete deu dois golpes no professor: um no ombro direito e outro no braço esquerdo e também numa das pernas.

Uma barbaridade dessas nunca desponta como surpresa,  tanto que o professor Juarez já foi  ameaçado de morte por mensagens racistas deixadas em banheiros por alunos da Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Bauru, no interior paulista, em 2015. O professor coordena o Nupe (Núcleo Negro da Unesp para Pesquisa e Extensão).

O caldo cultural que poluem e alimentam os vermes fascistas,  que bebem a lavagem racista,  agindo como terroristas, violentos, discriminatórios, preconceituosos e racistas é o mesmo que infiltra a mente dos fundamentalistas evangélicos e neopetecostais.

Estes não são cristãos nem são evangélicos legítimos, como o termo originalmente indica. São antros fascistas, racistas, golpistas, amantes do dinheiro e pontas de lança dos interesses do mercado imperialista dentro da sociedade.

Analisar esta realidade não é ser  contra os santinhos de pau oco, os chamados evangélicos, mas denunciá-los como traidores, mentirosos e canalhas.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.