futebol_chileno

Jogadores, treinadores e torcidas de futebol do Chile nos dão exemplo de patriotismo e apoio ao povo

Li com a alegria na Revista Forum que seu enviado no Chile Victor Farinelli colheu a posição correta e patriótica daquela seleção de futebol, ídolos, jogadores e torcidas apóiam o levante popular que todo o povo move contra a desgraça neoliberal representada pelo presidente deles e seu governo nefasto.

É, sem dúvidas, sacudida profunda em todo o esporte latinoamericano, notadamente no brasileiro.

Aqui o futebol é cooptado pelo mercado dominado pelos bancos, pela indústria e comércio de automóveis, pelas cervejarias, pela indústria farmacêutica com remédios de combate a gripes, pela indústria e comércio de tênis e de fardas esportivas e, sobretudo,  pela mídia, destacando-se a sugadora de dinheiro do povo, a Rede Globo.

Os times de futebol, principalmente os grandes clubes viraram empresas concentradoras de poder econômico, sob influência partidária de direita, com patrocínios pesados, inclusive à alienada seleção brasileira, a mesma que vendeu a Copa para a Alemanha para ajudar os golpistas no Brasil.

As torcidas reúnem a perversa,  atrasada e falsa classe média. Esta só se interessa por futebol enquanto produto de consumo e não como bem social e cultural.

Esses setores produzem abismo intransponível entre o Brasil – o seu povo – e o esporte como consumo burguês de satisfação de torcidas apáticas e de costas para a sociedade.

O vasta, poderoso espetáculo feito de cores, de cantos harmonizados, de gritos sincrônicos, de lágrimas e de suor não guardam harmonia nem servem de energia para a libertação do  povo angustiado e sofrido, embora seja ele a fonte da dinheirama que sustenta o edifício dos prazeres esportivos para o povo mas sem interesse nele.

Jogadores considerados tops, estrelas internacionais,  são figuras folclóricos que esqueceram seus passados pobres de famílias operárias.

Ao se embeberem com a fama e com muito dinheiro fácil, fruto de nervos e osso treinados, mas sem cérebro e sem consciência, perfilam em apoio a parlamentares, candidatos de direita, corruptos e traidores da pátria.

Que se arrependam, esse vendilhões, ao ver o exemplo  de o meia Jorge Valdivia, que apoiou o neoliberal e carniceiro dos trabalhadores, Piñera nas eleições de 2017, mas se refez desse erro. Ou que sigam os jogadores Claudio Bravo, Jean Beausejour, Arturo Vidal e Esteban Paredes, que se aliam aos chilenos arrasados pelo neoliberalismo e não o seu algoz, patife servil aos Estados Unidos.

O goleiro Claudio Bravo, capitão da seleção chilena nas conquistas da Copa América de 2015, e na Copa América Centenário de 2016, criticou o neoliberalismo, a pior das pragas que abala o Chile contaminado pelo ditador nazista, ídolo do miliciano Jair Bolsonaro,  Augusto Pinochet, ajudado pelo peão do mercado aqui no ministério da Economia do governo federal, o satânico Paulo Guedes,:  “venderam às empresas privadas a nossa água, a luz, o gás, a educação, a saúde, as aposentadorias, os medicamentos, as estradas, os bosques, o salar do Atacama, os glaciares, os transportes… algo mais? Não será muito?”, questionou o goleiro Bravo.

O  lateral-esquerdo Jean Beausejour, também bicampeão continental, denunciou que  “o Exército para mim está associado ao pior período da história do nosso país”. A essa crítica se somou Charles Aránguiz sobre o Exército chileno, herdeiro das prisões, torturas e assassinatos promovidos pelo ditador Pinochet, ao comentar vídeos que rolam pela internet mostrando militares  participando de saqueadores: “sinceramente, desconfio muito das intenções deles, quando atuam assim não é para melhorar a vida do povo”.

Há despertamento político dos jogadores e das torcidas no Chile. Muitos jogadores fazem autocrítica por se alienarem e até por apoiarem os facínoras que usaram o país, remendaram e destruíram a Constituição, tomaram o Congresso e o judiciário para roubar o Chile e empobrecer tanto o seu povo, levando os velhos à miséria e a juventude ao desespero.

Clique aqui para ler a íntegra dessa matéria profética e esperançosa.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.