neoliberalismo_loucos

Medidas emergenciais e derrubada desse sistema neoliberal que põe milicianos e psicopatas nos governos

Por Dom Orvandil.

A desolação e o abandono não acontecem somente com essa sensação que as estradas, as cidades e ruas demonstram, mas com a efetiva situação desumana que  os trabalhadores e, pior, os precários e vulneráveis enfrentam.

As notícias e vídeos de médicos indicam que,  quando a contaminação do coronavirus atingir o auge,  haverá seleção determinada pelo valor econômico, o mesmo injusto que regula nossas relações sociais.  

Os pobres e os idosos serão preteridos em favor dos mais aquinhoados financeiramente e dos mais jovens,  aptos à produção econômica,  como parte da engrenagem de sustentação da pirâmide com os privilegiados em cima.

 Como sempre ocorre no sistema capitalista, a força de trabalho será atendida de modo precário em escala de privilégios, deixando para trás os vulneráveis, os de trabalhos precários e os moradores de rua, incluindo amplos setores favelados, nas situações desumanas criadas por sistema econômico e político tremendamente iníquo e perverso.

Em face de tanta discriminação há uma de duas posições a tomar. Uma é pensarmos que isso é “normal”. Aliás, apáticas,  muitas pessoas logo respondem: “é normal”.

A oura é a da resistência na luta. Quem se posiciona assim é tremendamente solidário como demonstra o povo e o governo cubanos, até mesmo com os algozes dos trabalhadores como o neoliberalismo inglês e o milicianismo fascista e neoliberal brasileiros. O governo cubano não titubeou em receber um navio inglês com turistas infectados e cuidar dos contaminados nem de atender o apelo do Brasil no reenvio dos médicos para as periferias mais brutalmente atingidas pelo COVID – 19.

As centrais sindicais brasileiras pressionam solidariamente pela derrubada da emenda constitucional de número 95, elaborada como parte do golpe pelo governo e pelos congressistas golpistas dos tempos do vampirão Mi$hell Temer e agora com o miliciano criminoso Jair Bolsonaro.

Essa emenda limitou os investimentos públicos e já retirou R$ 13,5 bilhões dos cofres da área da saúde em 2019 e retirará mais R$ 10 bilhões neste ano, em função do congelamento do investimento mínimo obrigatório estabelecido para esta área,  exatamente em plena pandemia do COVID – 19. Ora, se  era uma necessidade impedir  essa medida, agora a pressão se torna imposição diante da grave crise sanitária que atinge o País e o mundo.

No sentido de obrigar  o Congresso e o desgoverno Bolsonaro a deputada Gleisi Hoffmann tem razão ao propor à Câmara que pressione pelo pagamento de abono aos trabalhadores informais em quarentena. Não esses miseráveis e buracráticos R$200, 00 que o tchutchuca do mercado Paulo Guedes quer pagar aos trabalhadores, mas no mínimo um salário.

A solidariedade como enfrentamento da pandemia causada por um vírus e agravada pelos males do capitalismo decadente, por ser desumano na concentração de riquezas e de renda, impõe-se como a única reserva moral de dignidade da humanidade.

Porém, deste pandemônio deve levantar-se gigantesca, generosa, inteligente e competente mobilização social contra o capitalismo na sua expressão mais bárbara, o neoliberalismo associado ao fascismo.

No Brasil essa mobilização começará por derrubar os males representados pelo golpe de 2016 e continuado nas eleições mentirosas, manipuladas e golpeadas de 2018,  colocando nos governos estaduais, federal, nas assembleias legislativas e no Congresso Nacional verdadeiros bandidos, inimigos do povo e traidores da Pátria brasileira.

O tom será dado pelas ruas e pelas multidões, bem para além dos panelaços e dos gestos episódicos de solidariedade.

Não há como tergiversarmos molemente com a casa grande e seus pilantras dominantes. Eles não são dotados de compaixão, de respeito nem têm condições de negociação, como pregam os sociaisdemocratas.

Claro, quando forem realmente ameaçados em seus lucros se portarão como bebezões chorões. Mas não é mais possível aceitar que eles continuem regendo os psicopatas e fascistas que põem nos governos.

Precisamos construir definitivamente as bases de uma sociedade dinâmica e permanentemente solidária, sem o piramidamismo priviligiador.

É inaceitável esse tipo de sociedade que, no momento mais difícil da vida, privilegia os de sempre, produzindo e excluindo os vulneráveis e abandonados das próprias injustiças do sistema.

Relacionadas: “O coronavirus e o conflito de classes: catástrofe avassaladora para os trabalhadores e para os pobres”;

A sua solidariedade nos ajuda muito a trabalhar aqui no Cartas Proféticas. Continue e reforce a campanha com seus contatos: http://cartasprofeticas.org/colabore

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um comentário

  1. "Medidas emergenciais e derrubada desse sistema neoliberal que põe milicianos e psicopatas nos governos". Ajude-nos a movimentar o Cartas Proféticas compartilhando somente a chamada e o link desta postagem: http://cartasprofeticas.org/medidas-emergenciais-e-derrubada-desse-sistema-neoliberal-que-poe-milicianos-e-psicopatas-nos-governos/

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.