golpe_3ª fase

Não é contra o PT e a esquerda, oh despolitizados, mas contra o Brasil e o nosso povo!

Prezada amiga Assistente Social  Gislei Rodrigues da Cunha, de Goiânia, Goías

São cansativas as manchetes e as proposições de notícias e artigos afirmando que o bufão Sérgio Moro, que os traidores Luiz Fux, Dias Toffoli,  a mídia,  o fascismo e seu irmão gêmeo,  o fundamentalismo religioso, as pesquisas eleitorais etc armam contra o PT e contra a esquerda, inflando a candidatura do esfaqueado pelo próprio fascismo dele, o capitão da estupidez Jair Bolsonaro.

Colocar as perseguições golpistas,  que se desdobram através de todas as instituições, tomadas pelo demônio do golpe de Estado, como coisa contra o PT e contra a esquerda pode até soar bem aos ouvidos de oportunistas desse campo com peitos estofados, mas é colocação malandra e enganosa.

Na verdade, a chapa Haddad-Manu se constitui uma saída e um furo genial para a derrubada da enorme barragem que impede o Brasil e o nosso povo de liberar seu projeto de ser o futuro mais feliz para todos e para o mundo.

Lamentavelmente setores da esquerda usam a campanha eleitoral como forma de buscar eleger sua gente e de cavar espaços de poder, mas sem visão de unidade nacional e popular. Grande parte não entende o que se passa no fundo do mar econômico, gerando rachaduras nas placas tectônicas mais significativas do capitalismo internacional,  que atingem a economia do mundo e do Brasil, acentuadamente.

O  esgotamento do keynesianismo econômico,  unido à falência do domínio político burguês, experimentada pelo fracasso da globalização neoliberal, o tal fim da história a cuja “modernidade” – na verdade o suprassumo do atraso capitalista – aderiu o “seo” Fernando Henrique Cardoso e sua aliança de direita demo-tucana, que levou nosso país à curva da morte, passando pelo golpe comandado pela quadrilha que tomou o poder de assalto, chega agora no impasse entre a chapa social democrata Haddad-Manu e o fascismo mais desvairado, desatinado e perverso, muito apropriadamente representado pela desiquilibrada, desqualificada  e aventureira montagem chamada Bolsonaro-Mourão.

Não é por nada que Aécio e Anastasia, essa relação golpista e perversa das Minas Gerais, aderem agora a Bolsonaro, abandonando o picolé de chuchu derretido.

A brutal crise que começou a movimentação “nova” das placas, que iniciou no Sudeste Asiático, ganha trotes assustadores em todo o mundo capitalista em forma de fundamentalismo liberal de tom fascista, já testado e aplicado pela ditadura mais sanguinária da América Latina e mundial, depois do holocausto nazista, a de Augusto Pinochet no Chile.

O barbarismo autoritário de impulsos econômicos aciona o crescimento das forças de ultra direita, fascistas, nazistas, neonazistas, fundamentalistas com cores religiosas, racistas, machistas, homofóbicas e outras. Nos Estados Unidos esse movimento explica a eleição do louco Donald Trump, acompanhada de mudanças da estratégia na política de hegemonizar e tiranizar agressivamente a relação do império com a América Latina, onde as corporações pretendem instalar suas máquinas de roubar, já que o mundo multipolarizado as expulsa de seus territórios.

As tramas contra a Venezuela têm o mesmo objetivo com relação ao Brasil, podendo derivar para a terceira fase do golpe hediondo com o emprego das Forças Armadas.

O objetivo desse movimento, usando os golpistas instalados em todas as instituições, é o de eliminar definitivamente as ameaças ao programa de “reformas”  a que se propõe a máfia que golpeou o Estado, a democracia e a Constituição brasileiras.

Destruir a chapa Haddad-Manu, levando-a a desmoralização com ajuda do golpista, fascista e entreguista Sérgio Moro, agora mais do que nunca associado a Luiz Fux, Dias Tofolli, a mídia, bem como detonar Ciro Gomes e aliados é intenção da gangue instalada em todos os poderes para atender a pressão das corporações internacionais para alinhar o Brasil aos Estados Unidos.

A tendência do golpe é usar as forças armadas para proceder a intervenção militar para impedir as eleições, caso a chapa apoiada por Lula se mostre crescendo em direção a vitória, desviando o Brasil assim de ser tutelado e tiranizado pelos Estados Unidos.

As manobras com as pesquisas eleitorais, a cassação de milhões de títulos eleitorais no Nordeste, de Sérgio Moro com o requentamento das mentiras do ex militante da ALIBELU, o traidor e mentiroso oportunista Antônio Palocci, da mídia, nas chamadas delações premiadas– negócios espúrios com criminosos – são tentativas de melar as eleições, mesmo que dai saia um monstro como Jair Bolsonaro-Hamilton Mourão.

As forças neoliberais não se importam com nomes como direita ou esquerda, o que buscam é a ditadura econômica, com o arraso da soberania nacional, da democracia, dos direitos sociais, da Constituição e com o grande roubo das riquezas brasileiras, que seriam nossa redenção, nosso futuro e nosso direito a sermos felizes.

O desafio gigantesco nessa conjuntura,  que aponta a chapa Haddad-Manu como a única saída para a derrubada da muralha golpista, que emperra nosso país de crescer, é o de rompermos essa blindagem feita de mentiras das mais bem montadas pelos alto círculos laboratoriais do marketing dos Estados Unidos,  repassada ao golpe, é o de unirmos o povo e a nação na sufragação popular do projeto perseguido pelo golpista Sérgio Moro e toda a quadrilha encarregada de roubar o Brasil.

Depois das eleições,  assim apoiadas pelo povo, que pode perceber as manobras sujas e dar a vitória a si mesmo através da chapa Haddad-Manu, como aconteceu em 1974 quando a ditadura empresarial-militar tentou enganar a sociedade,   mas a  vitória  foi da oposição, temos o dever de levantarmo-nos em defesa da posse e de um programa de governo que transcenda de longe os caminhos do golpe, apoiado em congressos, organizações populares e movimentos sociais, passando por uma Constituinte exclusiva;  buscando revogar todas as medidas lesivas ao Brasil, retomando todas – todas – as estatais vendidas ao capital internacional, retomar a política macroeconômica de desenvolvimento, os programas sociais e políticas públicas de incentivo tecnológico, à formação humana científica, técnica e cultural. Nessa perspectiva a retomada do nível de empregos, de renda e de valorização de carreiras e salários é fundamental como remédio contra a destruição neoliberal. A questão da revisão de tudo o que fez a lava jato com suas delações e condenações mentirosas e corruptas, como o afastamento de procuradores, juízes e policiais das forças tarefas,  suspeitos de ações facciosas para favorecer a direita e os neoliberais e corrupção, com investigação, prisão, condenação e expulsão dos serviços públicos dos   traidores  da pátria e à soberania nacional, se fará impositiva e parte do programa de governo para assegurar a reposição  do Brasil no rumo que lhe é destinado.

Esse caminho de lutas tem mais do que os nomes PT e esquerda. Chama-se Brasil, povo e retorno ao direito de sermos felizes.

Se o PT e a chamada esquerda – com suas nuances engraçadas como radical, suave, de centro, democrática e progressista – entenderem  essa missão então lutarão  e crescerão muito mais do que as pessoas que olham somente para seus umbigos eleitorais e para os cargos de poder.

Abraços críticos e fraternos.

Dom Orvandil, bispo cabano, lanceiro farrapo e republicano.

Leia também:

Última carta de Lula: “o Brasil muito perto de decidir entre dois projetos”

As mulheres entenderam que a luta contra o golpe e o fascismo só se dá com o povo mobilizado nas ruas

Colabore com o Blog

 

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *