discurso enganador

O discurso petista de fé no judiciário é ilusório, enganoso e demagógico

Há tempo denunciamos aqui no blog e no canal Cartas Proféticas essa, no fundo, má fé do discurso da “confiança na justiça”.

A rota do golpe é traçada e seguida  exatamente pelo judiciário prostituto da Constituição, da democracia e da soberania nacional.

Se é verdade, e é,  que Sérgio Moro é um vira-lata adestrado pelo imperialismo estadunidense,  meticulosamente feito artilharia do mais atrasado e perverso fascismo instalado nas instituições judiciárias, policias e setores militares; que o STF não só apoiou o golpe como dele foi agente ativo, como crer nesse discurso safado, mentiroso e fariseu feito pelo ex presidente Luis Inácio Lula da Silva e pelo PT de que é preciso acreditar na justiça?

Portanto, esse discurso, muito semelhante ao feito pela raposa ao galo de que ele deveria apostar na aliança de paz entre os animais, com a intenção de abocanhá-lo e a todo o galinheiro, como conta  a lenda, tem o triste, lamentável e dolorido sabor de traição ao povo, principalmente à classe trabalhadora e aos pobres.

Nossas lideranças petistas, marcadamente os parlamentares do Congresso Nacional e da Frente Brasil Popular, na verdade, com esse discurso seboso e nojento, imobilizam o povo, este sempre usado como massa de manobra, bucha de canhão e como último recurso.

Felizmente um conhecedor do judiciário e da polícia federal confirma  que a tese da “confiança na justiça” não passa de engodo, de enganação e de traição ao povo.

Armando Rodrigues Coelho Neto é jornalista e advogado, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-integrante da Interpol em São Paulo e, portanto, fala com conhecimento e com coragem da desgraça desse discurso em face do judiciário traidor e cafageste.

Sem o povo organizado nas ruas, com este como sujeito essencial da luta,  não há mais salvação. O caminho não passa por essas eleições de 2018, totalmente controladas pelo judiciário golpista, desgraçadamente traidor e vergonhoso.

Leia abaixo o esclarecedor artigo de Armando Rodrigues Coelho Neto, publicado pelo GGN no dia 25/06/18.

Colabore com o Blog


A torpe fé numa justiça corrupta alimenta imobilização popular

por Armando Rodrigues Coelho Neto

No dia 25 de janeiro fui à Porto Alegre num gesto simbólico. Minha intenção era deixar claro para os tiranóides do Tribunal Federal da 5ª região que o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva não estava e não está sozinho. Seria um a mais, claro!. Que importa? Mas, não alimentei esperança de um voto sequer favorável a ele. Na minha ideia, sempre esteve presente a máxima de que, quem faz o mais faz o menos. Se Dilma Rousseff foi defenestrada da Presidência da República sem crime, numa bandalheira abalizada pelo dito Supremo Tribunal Federal, o máximo já estava feito. O resto tudo é e seria mínimo.

O STF sequer pode ser chamado de omisso quanto ao golpe, porque foi ativo e legitimou, até ditando regras, ritos e rituais, com o ministro Ricardo Lewandowski servindo de cereja de bolo. O mesmo tribunal que se omitiu quanto às ilegalidades patrocinadas pela Farsa Jato, a ópera bufa da medíocre juristocracia que Tio Sam mandou implantar “na legalidade”.

Neste GGN falamos da “justiça do timing” e que, mais cedo ou mais tarde, pelo menos parte da ordem jurídica deveria e deve voltar ao normal. Seja para salvar biografias de alguns urubus da Praça dos Três Poderes, seja para salvar a pele dos bandidos de estimação.

No roteiro do “timing”, o STF reconheceu há pouco a ilegalidade das quase 300 conduções coercitivas promovidas pela Farsa Jato (engodo jurídico do século). É um reconhecimento que serve pra nada, já que a quem queriam prender para arrancar a frase “Lula sabia” já aconteceu e já surtiu seus efeitos. As prisões ilegais foram usadas para gerar confissões sob tortura física e mental em sentido amplo. As tais confissões foram apelidadas de “delação premiada”, cujo nome legal é “colaboração premiada” e, segundo a melhor doutrina, é um ato espontâneo de arrependimento. Assim sendo, colaboração não é a sucumbência do réu diante de uma prisão ilegal por tempo indeterminado, para atender interesses políticos internos e externos inconfessáveis.

Portanto, há pelo menos quase 300 ilegalidades a serem apuradas e punidas e não só elas. Afinal de contas, Tacla Duran e alguns presos têm apontado outras, mas tudo num clima de “isso não vem ao caso” – o clichê sejumoriano que encantou fascistóides. Não à toa o roqueiro  Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii) disse que “o fascimo é fascinante deixa gente ignorante fascinada”. Sim, a Farsa Jato tem ilegalidades suficientes para anulação de sentenças, inclusive do Lula, mas quanto a isso nenhuma providência será tomada pelo Conselho Nacional de Justiça, que não consegue sequer combater a própria corrução de juízes, como bem lembrado pela ministra aposentada Eliana Calmon. Nem esperem sequer um pedido de desculpas das falantes associações de juízes federais ou estaduais.

Também no roteiro do golpe, no exato tempo (“timing”), a senadora Gleisi Hoffmann foi absolvida recentemente quanto a algo estupidamente óbvio. O Artigo 4º da Lei 12.850/2013 (Colaboração Premiada), em seu parágrafo 16, com meridiana clareza prescreve: “Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador”. Quem a acusou sabia disso, e ao fazê-lo quis de um lado criar fato político na cruzada contra o Partido dos Trabalhadores; quis alimentar as paginas fascistóides; quis aproveitar o fato de que uma placa de “Pare” ou “Não pise na grama” ter hoje o mesmo valor do que está escrito na Constituição Federal. Quem a acusou estava fazendo política e não aplicando o direito.

Na mesma trilha do tudo no tempo certo, para manter a aparência de legalidade e democracia, um direito fundamental do ex-presidente Lula tem sua discussão sistematicamente adiada e sua prisão ilegal vem sendo mantida sob argumentos capazes de arrepiar qualquer segundo anista do curso de Direito. Certamente estão esperando mais uma condenação ilegal, quem sabe Sítio de Atibaia, para discutir o tema com outro pano de fundo. A rigor, mais uma farsa travestida de aparente legalidade, quem sabe depois da Copa, mais perto da eleição.

Não adianta dizer que foi golpe e se surpreender com o fato de ser golpe mesmo. Se foi golpe, a Constituição Federal foi rasgada. Se houve um grande acordo nacional com o supremo e com tudo (tudo ainda está obscuro), ao que tudo indica os advogados de Lula parecem estar tentando salvar suas biografias, ao mesmo tempo em que criam fatos políticos. É como se pedissem só pra ter o não,  e tentar fazer da indignação alguma força motriz. Não adianta dizer que foi golpe e ficar acreditando que no dia tal vão julgar não sei o quê que pode ser favorável a Lula e manter esperanças vãs na atordoada militância petista. É como se os advogados do Lula quisessem apenas desmoralizar o já desmoralizado STF. É como se o PT estivesse apenas querendo colocar pilha na militância, quando na verdade está minando a esperança dela, que se dilui a cada decepção.

Lula é preso político, o povo já sabe disso, o mundo sabe disso. Conheço juristas até de extrema direita que reconhecem a ilegalidade de sua prisão. Entretanto, se portam como bandidos na base do “perdeu playboy”, como torcedores de futebol que querem ganhar títulos com recurso no “gavetão” e embargos auriculares.

A presunção de culpa de Lula, em tese e apenas em tese, é tão presumível quanto a roubalheira no Poder Judiciário e a sonegação de imposto na Rua 25 de Março. Mas, nenhum juiz, nenhum sonegador, nenhum ser humano pode ser preso por mera presunção. Enquanto isso, é deplorável o número de arquivamentos de processos dos bandidos de estimação e Fora Temer conspira contra o país em conluio com o STF e o mercado.

Eis um quadro que não permite acreditar em solução jurídica. Pela lei, Dilma Rousseff continuaria presidenta, Lula não estaria condenado nem preso. Juízes, fascistas e entreguistas abusam da ignorância popular na base do “juridiquês”, alimentando a farsa do combate à corrupção. Na outra ponta, o PT aposta na lei alimentando a inércia de um povo indiferente (inconsciente?) ao país saqueado. Mais que isso, um povo que ri e repassa às turras memes e piadas sobre sua própria desgraça.

Um comentário

  1. é um momento muito curioso para toda a sociedade brasileira, talvez tão bizarro a ponto de alguns rejeitarem o fato de que precisamos dar um boot: https://jornalggn.com.br/blog/jruiz/porque-nao-reagimos

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *