ricardo morreu porque salvou crianças

O homem que morreu no prédio que desabou salvou 4 crianças. Impressiona a bestialidade dos comentários

Emociona conhecer pessoas que se entregam a salvar vidas, como foi o caso de Ricardo.

Não se sabe muito sobre ele nem mesmo seu sobrenome, mas conhecer o fato de que ele salvou 4 crianças antes de se imolar em meio aos escombros e chamas do prédio que desabou em São Paulo no dia 1º de maio de 2018 tem-se esperança no ser humano.

Antes de pensar em si e em se safar sem se preocupar com ninguém, Ricardo, por cerca de 40 segundos de ser salvo,  deixou de viver porque gastou tempo salvando crianças.

Abaixo, publicado na sua conta no Facebook, David da Silva  faz um pequeno relato da grande obra salvadora de Ricardo. Emocionante a vida simples do trabalhador falecido tragicamente, que amava as plantas e os gatos.

Outrossim, impressionam os comentários absolutamente irracionais, arrogantes, desprezíveis e fascistas dos que julgam Ricardo. O moralismo bestial é tão violento quanto o prédio que desabou e as balas que mataram Marielle e feriram pessoas no acampamento “Marisa Letícia de Lula Livre”,  em Curitiba.

Os erros gramaticiais, os probelmas de pontuação e a grosseria moralista dos metidos a deus do juízo final demonstram  o quanto o fundamentalismo e o fascismo, filhos gêmeos do ódio emburrecido, são produtos da ignorância e da falta de ética.

Usam até o nome de Jesus para cuspir escárnio indecente.

Essa onda de bestificação toma conta de páginas de religiosos no what’s app e em todas as redes sociais, tão baixas e desumanas quanto as contas de direita,  declaradamente nazistas.

Leia abaixo a dessrição que David faz da vida de Ricardo, sacrificado em São Paulo. Para mim um santo. Ponto final!

Colabore com o Blog

Levou 4 crianças pra fora do fogo antes de partir. Gostava de fazer fotos (como este autorretrato) no alto do prédio que o matou.

Amava skate e patins. O cubículo onde dormia tinha mais plantas do que móveis. Colecionava gatos. Trabalhava em carga e descarga de caminhões. Bombeiro disse: “tentávamos puxá-lo com a corda quando o prédio desabou. Mais 40 segundos estaria salvo”. Por ter o corpo todo desenhado o chamavam “Tatuage”. Seu nome era Ricardo. Mas ninguém sabe de que.

Um comentário

  1. Só faltou contar que era assaltante de banco!

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *