Lugar de mulher

O horror das mulheres propriedades e violentadas

Amiga Cientista Social Cida Toledo, Mendes, RJ
Homenageio-a por suas lutas grandiosas com e pelo povo brasileiro. Certamente a amiga é uma mulher de luta e liberta do senso comum das fêmeas humanas propriedades de outros seres humanos, os masculinos.
Horrorizo-me com a ideologia machista dos homens e mulheres que “pensam” que estas devem ser propriedades controladas estreita e opressivamente dos primeiros.
É chocante o modelo de relacionamentos no interior dos quais as pessoas se sintam donas de parceiros ou “donificadas” pelo outro em nome de uma fidelidade ou lealdade de conotação patriarcal, faltando apenas notas e recibos fiscais, embora muitas vezes os certificados de casamentos religiosos e civis representem o sentido de “donismo”.
É maçante, sufocante e desumano o controle até dos pensamentos do parceiro, da parceira, seja em relacionamentos heterossexuais ou homo afetivos.
Pior ainda quando o donismo, problemas de caráter ou emocionais derivam para a violência, o cúmulo do desrespeito ao outro como ser emancipado e totalmente alterativo, principalmente em se tratando das mulheres.
No contexto golpista da atual conjuntura brasileira as mulheres são ainda mais vulneráveis à violência dos que se acham seus donos, os machistas.
Compartilho com a amiga o texto chocante de Rute Pina do site Brasil de Fato (aqui) sobre as violências sofridas pelas mulheres.
Rute inicia com o caso da jornalista paulistana Larissa Santos (nome fictício para preservar a identidade da vítima) para mencionar a ideologia machista e violenta ativa nos aparelhos de Estado, que deveriam proteger os direitos das mulheres. “Ela sofreu violência doméstica durante um relacionamento de quatro anos e afirma que, nas ocasiões em que procurou a Polícia Militar, em 2012, apenas acumulou boletins de ocorrência. Em dois meses, por exemplo, ela precisou ir à delegacia quatro vezes, mesmo com a medida protetiva contra o ex-parceiro aprovada”, relatou a autora da denúncia.
Larissa mesma conta que “quando eu vi que eu iria morrer e ponto, tive que pedir ajuda. Se eu não tivesse conseguido auxílio dos meus amigos, que forneceram advogados gratuitamente, eu acho que não estaria falando hoje com você, sinceramente”.
Os casos de violência contras as mulheres neste ambiente golpista, com o esvaziamento dos sistemas de promoção dos direitos delas e a consequente proteção das violentadas de todas as formas cresceram de 18 para 29%, nos conta Rute Pina.
Enfim, os poucos avanços conquistados somem como areia entre os dedos (vale a pena ler todo o artigo).
O machismo ativo como ferrugem nos poderes e nas relações é um dos mais nojentos produtos do capitalismo. A partir do sexo masculino machista, desfigura o afeto e a compaixão fazendo do homem tirano monstro. Na mulher, são obstrução e boicote da beleza humana e feminina nos seus direitos à escolha e à liberdade.
Não sobra alternativa, por esta razão e pela situação política opressiva e desumana para todo o povo brasileiro, se não a participação de todas as mulheres na luta por nenhum direito a menos, pela derrubada do golpe com o “fora, Temer”, pelo cancelamento do impeachment, por mais direitos e mais democracia.

 

  • Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz sociais.
  • Dom Orvandil, OSF: bispo cabano, farrapo e republicano, presidente da Ibrapaz, bispo da Diocese Anglicana Centro Oeste e professor universitário, trabalhando duro sem explorar ninguém.
Clique aqui para acessar e se inscrever no Canal CP no You Tube.  E aqui para curtir nossa página no Facebook.  Também acesse essa página para conhecer nossas palestras e seminários. Clique aqui em VAKINHA para colaborar com o blog.
Compartilhar:



3 Comentários

  1. O Feminismo não mata, o machismo mata todos os dia!

  2. Dias/errata

  3. Então eu parto da seguinte tese: o que é ser uma mulher forte?
    É aquela que mesmo infeliz com a relação, aceita a situação calada por medo de ser abandonada?
    É aquela que faz todas às vontades e caprichos do homem, pra fazer a "bela, recatada e do lar"?
    É aquela que suporta abusos físicos e morais em nome da família, da religião ou da sociedade?
    É aquela que lava freio de cueca, passa, cozinha e ganha prêmio de "Amélia" do ano?
    É aquela que prioriza o cara na cama?
    É aquela que vive 50 anos aceitando humilhações, insatisfações e rejeições?
    É aquela que suporta traições?
    É aquela que edifica a sua casa?
    Então peraí, vou já já, te dizer o que é mulher forte de verdade...
    Mulher forte meoamour, é aquela que não vive em relacionamento de fachada, que não posa de esposa do ano pra receber aplausos morais, que não tem medo de recomeçar do zero, que está pouco se f... para os apontamentos sociais, que não aceita relacionamento abusivo, que se prioriza, que não depende de homem nem pra gozar, que se aceita. É aquela que reconhece em si mesma, a força de seguir em frente, a vontade de superação e a certeza de que felicidade é o que importa. É aquela que se ama e não abre mão desse amor em prol de carência afetiva.
    Casamento não é pra mulher forte, é pra CASAL que se ama, que se admira e que se respeita.
    Parem de jogar a culpa em cima da gente. Século XXI. Parem.Faço minhas as palavras de :Keila Sacavem.É mulher,pensa como muitas de nós mulheres..É preciso estar atentas,é preciso dizer isso as nossas amigas,irmâs e amigas de caminhada.Não podemos nos calara,não podemos deixar que digam o que quiserem e ficarmos com medo...A LUTA NÃO PARA!
    _____

Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.