mercado_haddad

O “mercado” que se acha deus já sabe que Haddad se elegerá presidente da república

A palavra ‘mercado’  é máscara e fachada para os 1% da população brasileira, formada de pilantras, chantagistas, golpistas e financiadores da ditadura empresarial-militar que sufocou o Brasil, prendeu, matou e exilou milhares de brasileiros. Os 1% são  preguiçosos que não trabalham mas vivem à custa do suor da classe trabalhadora, para quem mal agradecidos querem o pão que o diabo amassou.

Esses mesmos endinheirados com os recursos surrupiados  dos trabalhadores pela “mais valia”, arrancados do couro de quem realmente se sacrifica pelo país, engendraram o golpe de 2016, financiaram deputados, senadores e juízes canalhas para derrubar a presidenta Dilma, para destruir a democracia, transformar em poeira os direitos e investimentos sociais, para aumentar a fome e o desemprego.

Essa “elite”, verdadeira casta egoísta, já sabe que Fernando Haddad vencerá as eleições de 2018 porque foi indicado pelo ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na revista do ‘mercado”, de propriedade da Globo, os pilantras que dominam por menos Estado para o povo e mais roubo  para eles, a Valor, numa matéria editada pela jornalista  Lucinda Pinto,  faz rodeios numa discussão para encher linguiça de que o Brasil se digladia entre extremos para dizer, tremendo as pernas, que não adiantou a jogada malandra para prender Lula. Fernando Haddad se elegerá e aplicará o programa de investimentos sociais, que removerá o entulho da reforma do Vampirão MiShel Temer contra os bens sociais.

O fato é que nosso povo não tem que se intimidar nem se deixar enrolar pelas manipulações pilantras, desonestas e altamente maléficas impostas até aqui por esse grupo dominante desumano.

Esse 1% por cento é apenas um grupo que, embora se ache deus, não passa de um punhado de gente de mau caráter, preguiçosa, egoísta, altamente especialista em técnicas de roubo.

A casta dominante não tem votos mas influencia nas eleições e manobra as opiniões dos incautos, muitos pobres, mas iludidos e emburrecidos,  a favor dos seus candidatos Boslonaro, Alckmin, Marina, Álvaro Dias e outros paus de arrasto.

A classe dominante não produz riquezas,  mas manipula quem as produz, os trabalhadores. Mantém-nos sob suas leis com fisionomia intimidatória para excluí-los dos seus direitos.

É necessário inverter a força pela pressão popular. É preciso romper com o programa perverso e desumano dessa casta pornográfica.

Clique aqui para ler o artigo da Valor,  que usa uma jornalista para assinar a matéria manipuladora e suja, que o ‘mercado’ sem dedos para digitar e sem mãos para assinar manda publicar.

Colabore com o Blog

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *