clarice herzog

O que aconteceu com Clarice, viúva do jornalista Vlademir Herzog, assassinado pela ditadura militar?

Quando me deparo com pessoas de histórias gloriosas de luta contra as injustiças representadas pela ditadura civil-militar, por exemplo, me pergunto por que força e que paixão as moveu a tantos sacrifícios e enfrentamentos, muitas sabendo dos riscos da perda da vida.

Por outro lado, me espanto com as que lutaram bravamente, quer diretamente ou sendo parceiros/as leais absolutos/as de quem se entregou aos sacrifícios e que, por alguma razão não explicada,  se perderam e se desviaram do rumo da luta.

Esse parece ser o caso de Clarice, viúva do jornalista Vlademir Herzog.

Em entrevista à Folha de São Paulo ela narra a dor da perda do companheiro nas masmorras das torturas e assassinatos, verdadeiros porões do inferno no DÓI/CODI de São Paulo.

Clarice falou movida por uma consciência viva que, para mim que acompanhei o caso muito de perto, revivi o drama da ditadura como se fosse comigo e acontecesse ontem.

A combativa senhora, mesmo alquebrada pela idade, falou com destemor, coragem e vibração.

Sua entrevista causa vigor e emoção de garra para a luta. É um maravilhoso testemunho, dado com lágrimas e sangue, que deveria ser guardado em precioso arquivo.

Sua repulsa à ditadura e a todos os ranços carregados do ódio da elite demente e golpista de São Paulo é fumegante.

Porém, tudo parece cair nas cinzas e na sarjeta quando Clarice faz um exercício de fragmentação, fratura, tortura e assassinato da realidade.

Quando o repórter Marco Rodrigo Almeida lhe pergunta em quem votará para presidente, Clarice parece cair nos porões da ditadura e se faz  torturadora da realidade, distorcendo-a brutalmente. Escarra sobre a memória de seu mardio torturado e assassinado. A viúva responde que votará em Geraldo Alckimin, o tucanano neoliberal, golpista e continuador do que há de pior que a ditadura não conseguiu concluir.

Pior, Clarice se declara de esquerda com críticas contundentes e justas com realção ao nazista Jair Bolsonaro, mas gosta do chuchu apoiador do vampirão neoliberalista MiSchell Temer e que gosta muito do banqueiro golpista Henrique Meirelles que,  como ministro quadrilheiro,  tudo fez para ajudar a destruir o Estado Brasileiro.

O que faltou a Clarice? Parou de estudar? Passou a se deixar mediar pelo noticiário fake news e golpista da Globo?  “Converteu”-se a alguma igreja fundamentalista ou, na verdade,  essa parte da notícia é fake news da Folha como propaganda para o pior governador que São Paulo já teve?

Com essa traição à sua própria história, diferentemente de Oscar Niemeyer, de Luis Carlos Prestes, de João Amazonas, de Dom Helder Câmara, de Dom Paulo Evaristo Arns e de outros que envelheceram e morreram incorrupitíveis,  sem se desviarem de sua lealdade com o evolução econômica, social e política, Clarice Herzog finda sua tragetória colaborando com a mesma direita que se originou nos assasssinos de seu marido, torturadores da justiça social e da revolução, da qual Vlado era um dos sujeitos.

Clique aqui para ler a íntegra da entrevista de Clarice Herzog.  

 

 

Um comentário

  1. Loucura. Geraldo Vandre repreendeu pessoas com faixas pedindo justiça ao caso Mariele, em um show. Repugnante.

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *