Alexandre de Moraes urubu

O Supremo Tribunal Federal não é guardião da Constituição, como deveria, mas do fascismo e do golpe

Daniel Samam,  Músico, Educador e Editor do Blog de Canhota tem toda a razão ao afirmar  que o STF virou guardião do fascismo.

Essa trajetória desgraçada, porque antinacional, antidemocrática, antissocial, anti política e fascista, mostrou sua cara já no mensalão com Joaquim Barbosa, Celso de Melo, com seus discursos histéricos, empolados, arrogantes e nazistas e com todos os que fecharam com aquelas condenações sem provas.

Continuam, como diz Samam, com  “a escalada de intolerância e ódio no Brasil.”

Alexandre Moraes, indicado pelo quadrilheiro MiShel Temer para protegê-lo no afã criminoso de trair, cumpre muito bem o destino fascista para o qual foi indicado. “Primeiro, o ministro Alexandre de Morais autorizou que, Gaudêncio Fidélis, curador da exposição “Qeermuseu – Cartografias da diferença na arte brasileira”. ser levado à força, em condução coercitiva, para Brasília-DF para depor em uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) de maus-tratos e pedofilia do Senado, à pedido do senador parafascista, Magno Malta (PR-ES). A mais alta corte do Brasil trata um curador de arte como um criminoso demonstra o caráter protofascista dos ataques aos direitos democráticos às esferas da liberdade de expressão e produção artística. O STF permite que os artistas brasileiros sejam privados em seus direitos mais básicos, como os de livre pensar e produzir artisticamente”, escreveu Daniel Samam.

O fascismo instalado nas instituições de poder da república, inclusive ancho no STF, só será expulso com a insurreição popular.

O povo nas ruas promoverá a solução para tudo nos campos econômico, político e social. Não há alternativa.  Isso antes das eleições. É já.

Leia a integra do artigo corajoso de nosso educador em seu Blog de Canhota.

Veja  como colaborar com o Cartas Proféticas e aumentar sua renda.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.