antropocentrismo

Observação sobre a declaração do ator, ganhador do Oscar, Joaquim Phoenix, contra o antropocentrismo

Daniel da Costa*

Joaquim Phoenix faz uma crítica ao antropocentrismo, que diz colocar o ser humano no centro. Ele crê que é isso que está causando o colapso para o qual caminhamos.

Eu só gostaria de observar a hipocrisia desse tal antropocentrismo que diz colocar o ser humano no centro, mas sem que que ele seja tomado com um ser responsável.

O individualismo liberal, que está na base desse falso antropocentrismo que o ator Joaquim crítica, mas sem dar nome, (e eu sou defensor de um outro tipo de antropocentrismo: o da pessoa relacional e cooperativa num centro sempre móvel, como na definição do centro esférico de Nicolau de Cusa), tira a responsabilidade dos indivíduos e a substitui por uma crença, a crença liberal em suas “doutrinas” do funcionalismo e finalismo do seu jogo com o apoio de suas instituições.

Instituições que, de maneira mentirosa, se proclamam como impessoais  e republicanas: o golpe de 2016, explicitado pelo documentário “Democracia em Vertigem” de Petra e que concorreu ao Oscar que o diga!

Instituiçoes, portanto, à imagem e semelhança do indivíduo liberal “irresponsável”.

Assim, as sociedades liberais são tocadas com base nas chamadas leis abstratas do tal mercado autônomo que se auto regula “sem a necessidade de ação  responsável do ser humano”. Todavia, suas engrenagens e relações abstratas e frias, que se promovem e se mantêm entre os seres (burocracia dita racional), esmagam os indivíduos, que justa e mentirosamente a ideologia liberal diz colocar no centro. Só se for como centro de um alvo de tiro!

Na verdade, não é o ser humano que fica no centro da ideologia liberal. Pois a ideologia liberal capitalista é a expressão do ódio (pessimismo) ao ser humano concreto, em suas necessidades e fragilidades reais,  em favor (otimismo) de suas “doutrinas e abstrações” fundadas na noção da física moderna: a noção de “inércia”. Noção abstrata, metafísica e sem comprovação possível na realidade física. Uma hipótese sem comprovação que serve como base do reducionismo materialista da física moderna do século xvi, que a ideologia estende para o campo da política econômica, para o campo complexo das relações humanas …

Portanto, uma impostura teórica centenária; uma extensão hipotética indevida e arbitrária sobre o mundo complexo e multi causal da vida, para dizer o mínimo.

Essa impostura liberal se traduz como um reducionismo materialista grosseiro aplicado à vida, portanto; vida que é fenômeno complexo e totalmente desrespeitada em sua pluralidade expressiva.

Pode ver, então, o engodo do falso antropocentrismo liberal capitalista.

Ele é anti humano … É anti vida … É anti povo … Anti tudo que exija qualquer estancamento de seu Eros de domínio e propriedade ao infinito. Portanto, Eros que milita raivosamente contra tudo que é “corpóreo”, e sujeito às vicissitudes do corpo, da matéria, implicando entrave ao seu movimento incontido, idealista e infinito.

A ideologia liberal é portanto uma “gnose perversa”, cujo Eros levará inexoravelmente a Tânatos. Pois o mundo e a vida no planeta terra, que a velharia liberal insiste em manter sob seu controle para dominar os recursos naturais etc. são finitos e exigem políticas administrativas  plurais e respeitosas, com níveis de planificação (racional) responsável (ética) e cuidado consciente para com a vida biológica e o meio ambiente …

Esse tipo de administração responsável só pode se dar através da vida política organizada. Que é justamente, todos os dias, demonizada pelos meios de comunicação liberais golpistas.

Vida política organizada nos moldes de uma democracia inclusiva e participativa, plural, relacional e cooperativa: em que no centro, (sempre móvel e capaz de estar em todos os lugares da esfera comunitária, como em Nicolau de Cusa e Pascal), esteja a “pessoa relacional”, e não o indivíduo isolado, abstrato, ressentido, vingativo, egoísta e calculista  liberal capitalista.

Assim, um mundo de pessoas singulares responsáveis no centro de uma comunidade democrática esférica e com centros difusos e plurais, o que exige uma política responsável.

Enfim, isso é tudo o que a ideologia liberal ODEIA e se esforça por protelar o surgimento há pelo menos 300 anos … E sempre o fará, nem que seja por meio de uma guerra total …

Quem ainda não entendeu o nível destrutivo e deletério da ideologia liberal ou é ingênuo ou sadomasoquista.

*Bacharel, licenciado, mestre e doutor em filosofia pela USP; bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Batista de SP; pedagogo licenciado pela FALC; autor de artigos de filosofia em veículos especializados e livros coletânea; autor do livro *O cristianismo ateu de Pierre Thevenaz* (no prelo); tradutor de mais de trinta livros nas áreas de filosofia, ciências da religião, ciências humanas e teologia; músico profissional (guitarrista) e jornalista. Colunista do Cartas Proféticas.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um comentário

  1. O colunista do Cartas Proféticas, o teólogo protestante e Filósofo Daniel da Costa, crítica a missão hipócrita de antropocentrismo do ganhador do Oscar. Ajude-nos a movimentar nosso Cartas Proféticas, compartilhando somente os links das postagens. http://cartasprofeticas.org/observacao-sobre-a-declaracao-do-ator-ganhador-do-oscar-joaquim-phoenix-contra-o-antropocentrismo/

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.