patricia-lelis-lula

Patrícia Lélis: “Lula, me perdoa por ter ido às ruas e ter sido a favor de um golpe”

Por Patrícia Lélis*

E foi desse jeito que o Lula, o homem que eu mais difamei me recebeu. Sou ansiosa e não consigo esperar pelas fotos oficiais, e para ser sincera esse post não é sobre fotos bonitas, mas sim sobre palavras sinceras e de escritas de coração.

A jornalista Patrícia Lélis prova de uma experiência afetiva e de perdão que não há, de modo algum, na direira, no campo neoliberal nem no fascismo bolosarista.

Pessoas que militam com o e pelo povo não guardam ódios nem rancores. Por isso não são vingativas. Pelo contrário, vibram e celebram com a libertação resgatante dos que se desgarraram pelas trevas dos Marco Feliciano,  pastor “etrupo” Everaldo, dos Malafafaia e outos subhumanos das tropas da guerra e do golpe.

Leia abaixo o testemunho que Patríca Lélis dá do perdão e do tremendo afeto que recebeu do ex presidnete Lula.

Colabore com o Cartas Proféticas que analisa as notícias, busca os nexos com o todo, com as causas e os efeitos e critica  propositivamente.


Confesso que quando te vi, senti um frio na barriga. Não sabia como você iria reagir a toda situação. Passou de tudo na minha cabeça. Pensei que você não me receberia bem, ou sequer me receberia. Afinal eu fiz parte dos brasileiros hipócritas que te difamaram.

Mais uma vez, eu estava errada sobre você. Hoje foi a primeira vez que parei para te escutar, que te vi pessoalmente, e ao longo de toda a sua fala fiquei pensando como eu um dia fui contra uma pessoa que ajudou milhões de brasileiros a acessar a educação, que tirou o Brasil do mapa da fome. A hipocrisia cega, e eu fui cega durante anos.

Escutei diversas vezes, de homens machistas que lugar de mulher não é na política, e cheguei a acreditar nisso. E hoje, você, o ex-presidente que mais fez pelo Brasil, olhou nos meus olhos e disse “você é forte”. Acredite, eu jamais vou me esquecer desse momento. Jamais serei capaz de esquecer como você me olhou, como me abraçou e principalmente de como me deu forças para continuar.

Eu olhei nos seus olhos e te pedi desculpas. Porém sinto a necessidade de mais uma vez dizer: Me perdoa. Me perdoa por ter ido às ruas e ter sido a favor de um golpe. Me perdoe por compactuar com um governo que todos os dias retira os poucos direitos que resta do trabalhadores. Me perdoa por fazer o Brasil voltar para o mapa da fome. Me perdoe por colocar a nossa floresta Amazônica em jogo. Me perdoa por ter sido tola.

Eu tenho muita, mas muita certeza de que estou do lado certo. Lula seu ladrão, hoje mais do que nunca você roubou meu coração.

Com muito carinho, Patrícia Lélis.

*Patrícia Lélis é jornalista e ex-militante do PSC

Revista Forum.

Compartilhar:



Um Comentário

  1. tem uma pergunta que não sai da cabeça...
    e se ela ainda estivesse no relacionamento com o bolsonaro, estaria arrependida por ter apoiado o golpe?
    afinal a mulher tem por obrigação manter a sua individualidade, mesmo que esteja casada, namorando ou seja lá o tipo de relação que esteja...
    ela, como jornalista tinha a obrigação de saber quem foi o Presidente Lula... e tudo que fez em seu governo pelo Brasil e brasileiros... sem distinção de classe, sexo, cor e credo...
    por que só depois de algum tempo longe dos holofotes resolveu mostrar arrependimento e pedir desculpas e até mesmo "perdão" (que na minha concepção só se pede a Deus) ao Lula?
    porque sabia que estaria de volta as redes sociais.. seria novamente alvo de atenção... de curtidas... e era esse o seu objetivo...
    o Presidente Lula, como sempre, teve uma postura digna... não se poderia esperar outra coisa, sendo ele quem é... aceitou as desculpas...
    final da história: Patrícia dá a volta por cima e se vinga do ex.... foi a figura mais compartilhada do dia... tudo não passou de uma "vingança"... coisinhas de mulher (?)...
    ps.: não acredito em arrependimento de coxinhas golpistas.

Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.