juiza-filha-da-puta

Quem é a juíza cruel carcereira de Lula, que impediu Esquivel e Boff de visitá-lo?

Foto montagem e simbólica do Blog da Cidadania, de Eduardo Guimarães

Tenho descrito as figuras de Sérgio Moro, de Deltan Dallangnol, dos juízes do TRF4 e da juíza de Curitiba, cruel e desumana, com vocábulos bíblicos simbólicos representativos do que há de pior para descrever as desumanidades de seres humanos.

Pois é este o caso da juíza de Curtitiba, carcereira de Lula, que barrou a entrada do Prêmio Nobel Adolfo Perez Esquivel, de reconhecida expressão mundial, bem como do frei e grande Teólogo Leonardo Boff.

Afirmo que são diabólicos – os que fazem o mal dividindo relações, colocando as pessoas cruelmente umas contra as outras – e de satânicas – as inimigas do bem, da justiça e da paz – agindo sempre com requintes de crueldade e de maldade ao extremo.

Ninguém faz o bem de repente, como se fosse tomado por  força incontrolável e absoluta bondosa da noite para o dia, como também não pratica  a satanicidade como se tomado por força repentina. A maldade e a bondade têm raízes nas pessoas e são alimentadas por forças decisivas.

Pois bem, o jornalista Alceu Castilho, em sua conta no Facebook, revela quem é a juíza Carolina Moura Lebbos e as fontes que abastecem a tremenda maldade que a derrapam pelos descaminhos do ódio, da injustiça e da mais satânica crueldade.

Leia abaixo o artigo revelador do jornalista Alceu Castilho. Por outro lado, clique aqui para ler sobre este jornalista e as fontes do bem que alimentam sua consciência e seu caráter.

Nada como a erupção dos fatos e de um dia depois do outro para expor o mal, o bem e as razões de cada pessoa no que pensa, diz,  faz e no que é.

Colabore com o Blog

O mundo dá voltas. Em 2007, acusado de um de um desvio de R$ 1,6 milhão, o ex-deputado federal (e pecuarista) José Janene, pivô do caso do mensalão, precisava ir a uma audiência em Londrina, no Paraná. Seu médico particular, um libanês chamado Elie Lebbos, apresentou ao juiz um atestado para justificar a ausência do político: “‘A cardiopatia faz com que ele tenha apenas 28% do coração ativo, ele não tem condições de suportar qualquer situação de stress”.

Janene faleceu em 2010. Elie Lebbos, no ano passado, em outubro. Ele era casado com Marina Vieira Moura Lebbos. Não era só médico. Possuía empresas (inclusive uma incorporadora imobiliária), era um perito previdenciário aposentado (por isso a viúva recebe pensão), foi do Conselho de Administração da Sanepar, a companhia paranaense de saneamento, e fazia parte do Conselho Fiscal do Banco Mercantil do Brasil.

No Mato Grosso, em 2016, Lebbos era do Conselho Fiscal da distribuidora de energia Energisa, junto com seu sócio na Dax Incorporações. Antes, quando a empresa ainda era a Cemat (o controlador Jorge Queiroz, do grupo Rede, ainda não tinha dado um calote bilionário), ele representou acionistas preferenciais. Entre eles estavam Luciana Moura Lebbos e Carolina Moura Lebbos.

Em abril de 2016, ata do Banco Mercantil do Brasil mostra que Elie Lebbos assinou presença na assembleia geral ordinária, “por si e por Carolina Moura Lebbos e Luciana Moura Lebbos”. (O endereço de Luciana em um dos documentos é o mesmo de Elie Lebbos, em Curitiba, a quem defendia como advogada, e o mesmo da cooperativa do médico, a Greenmed).

Em 2018, formada em Direito pela Universidade Federal do Paraná, Carolina Moura Lebbos entrou no noticiário como a juíza responsável por quem visita ou não, na prisão, o ex-presidente Lula. “Discreta, técnica e rígida”, na definição do UOL, a juíza está longe das redes sociais. (Elie Lebbos tinha bem mais visibilidade.) Há alguns dias, ela negou a visita humanitária de um prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, de 87 anos, que denunciou um estado de exceção no Brasil.

5 Comentários

  1. Faz parte do partido da justiça e do golpe,vergonha usar o cargo pra ser parcial e não cumprir a CF, estamos no fundo do poço, a lama começa a feder, o mundo todo já sente o cheiro, Lula livre!!!

    • A vaidade dessa criatura do mal já deve estar levando-a a praticar os seus desviios de caráter há muito tempo. Imagine agora, com o cidadão mais ilustre do País nas suas mãos, como não deve estar inflado o ego psicótico tanto dela como do seu mestre em falcatruas,o satânico Moro.

      Como mãe,às vezes eu me ponho a imaginar como deve ser a mãe de um ser desse . . . juro que eu morreria de desgosto e faria como Sta. Mônica, rezando sem parar, o tempo que fosse preciso, para encaminhar a filha endemoniada para o caminho do bem.

  2. Patrícia

  3. "Em 2018, formada em Direito pela Universidade Federal do Paraná, Carolina Moura Lebbos entrou no noticiário como a juíza responsável por quem visita ou não, na prisão, o ex-presidente Lula."
    Enfim, Carolina M. Lebos é só formada em Direito, ou também fez concurso para o Judiciário?
    Ficou meio estranho este trecho do texto.

  4. A vaidade dessa criatura do mal já deve estar levando-a a praticar os seus desviios de caráter há muito tempo. Imagine agora, com o cidadão mais ilustre do País nas suas mãos, como não deve estar inflado o ego psicótico tanto dela como do seu mestre em falcatruas,o satânico Moro.

    Como mãe,às vezes eu me ponho a imaginar como deve ser a mãe de um ser desse . . . juro que eu morreria de desgosto e faria como Sta. Mônica, rezando sem parar, o tempo que fosse preciso, para encaminhar a filha endemoniada para o caminho do bem.

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *