eduardo faria

QUEM QUISER SER O MAIOR DENTRE TODOS, SEJA VOSSO SERVO

Eduardo Faria*

Yeshua, aquele que muitos dizem seguir atualmente, indicando aos seus amigos como pretendia que fosse o modelo por eles seguidos, afirma, no livro escrito pela comunidade de Mateus (o coletor de impostos convertido), que enquanto os “príncipes do mundo oprimem e exercem autoridade sobre eles, mas entre vocês não pode ser assim!”

Ou seja, qualquer pessoa que se diga seguidora do Jovem Revolucionário de Nazaré, Jesus Cristo, tem que seguir à este conselho, sendo na Sociedade “servo dos servos”. Mas a pergunta que pretende nortear a presente reflexão é exatamente esta: “Como ser, na atualidade, o servo que Yeshua indicou para seus amigos?”

Servo é aquele que luta pelo interesse daquele a quem serve, protegendo-o e buscando promover melhores condições possíveis ao servido. Assim deve ser o seguidor do Nazareno em relação à toda a humanidade. Lutar pela promoção da dignidade do ser humano, e pela promoção da igualdade em todos os níveis é dever que se impõe àqueles que se dizem “cristãos”. E, é este exatamente o mote que pretende introduzir nossa reflexão nesse blog profético e jesuânico, pois tudo o que aqui dissermos, refletirmos e analisarmos deverá ser pautado nessa premissa, a de quem é SERVO e jamais senhor.

Como servo de uma humanidade vilipendiada e oprimida, é dever denunciar, impedir acesso dos corruptos ao “poder institucional” secular, e promover todas as formas de relativização da exploração do pobre e do oprimido. Lutar contra golpes à democracia e aos direitos do povo é dever do jesuânico conforme já exposto e analisado.

Não se pode hoje dizer-se de uma “bancada religiosa” que tenha Jesus como liderança é inadmissível, porque a “seita dos nazarenos” (livro de Atos dos Apóstolos, capítulo 24, verso 5) é uma seita de “agitadores” que lutam contra a “paz perene” dos impérios opressores, jamais podendo adequar-se à exploração golpista das tiranias que locupletam-se às algibeiras do pobre.

Qualquer um que seja seguidor do Cristo, em qualquer tempo, é conclamado à gritar sem temor contra as “raposas” (Evangelho segundo a Comunidade de Lucas, capítulo 13, verso 32) mostrando a ousadia que um profeta do Reino traz consigo. Desta forma, como primeira palavra, honrado que estamos pelo convite feito por nosso querido amigo e irmão Dom Orvandil, é nosso dever declararmos que somos praticantes do Jejum que agrada ao Senhor da Messe, qual seja, o rompimento das ligaduras da impiedade, o rompimento de qualquer servidão e a libertação de todo e qualquer oprimido, com a promoção integral do ser humano em toda a sua potencialidade. E, contra a pior raposa do Brasil, nosso grito de #FORATEMER, conclamando todos os irmãos à também “agitarem-se” contra o golpe e em favor da vida.

Até a próxima semana, com nosso carinho,
+ Eduardo Faria – Igreja Católico Anglicana Latino Americana.

*Eduardo Faria – Primaz da Igreja Católico Anglicana Latino Americana, professor de Direito e apologeta dos Direitos Humanos, padre, pai e agitador da seita dos nazarenos.

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *