classe_mrdia

“Senta que lá vem a história” (dedicado à companheira Tahia Sarapo)

Marcia Tigani*

Eu conversava com um adolescente da minha família, estudante pré vestibular. O menino, inteligente, com argumentos na ponta da língua mas resultado de dois fatores muito explosivos: pais direitistas sendo a mãe fascista declarada, bolsoNAZISTA roxa,  e doutrinação de extrema- direita  em casa e pela mídia. A mãe, de formação universitária, muito rígida de personalidade, inflexível, beirando mesmo ao fundamentalismo nas idéias políticas, assume desde cedo seu modus vivendi fascista. Um dia, estando nós duas em seu carro (eu de Carona)  vi quando ela freiou em cima de uma moça pobre, gestante, carregando pelas mãos seus dois filhos  pequenos, um de cada lado. Além de freiar em cima da moça ( sem necessidade)  xingou- a  e  entre- dentes comentou: “que saco…vontade de atropelar essa gente”.

Criou o menino com bastante rigidez: estudou anos em escola católica de freiras,  só come, bebe, faz o quê e como ela quer e determina.

O pai, muito  “pacífico”  e passivo em casa, defende o uso de armas  e o porte domiciliar das mesmas para matar ” vagabundo” e nessa classificação de vagabundo entram todos os excluídos do Brasil,  incluindo pobres, pretos, putas e …petistas.

Quando começamos a falar sobre Bostonauro num almoço recente, a mãe do adolescente saiu irritadíssima da mesa, gritando : “o Lula é o santo, né? Por isso está preso…bem feito”.

Retirou- se lá pelas tantas com o marido  deixando o rapazinho comigo, minha irmã e meu pai (três esquerdistas, hehe).

O menino então passou a nos encher de perguntas, e argumentava dentro de suas possibilidades e limitações,  visto repetir qual boneco de ventriloco o que os pais devem lhe falar diariamente na cabeça e o que escuta na mídia golpista. Dizia ele ser “bem informado”  mas não se lembrava do nome de suas fontes. Repetia incessantemente que Lula estava preso porque tinha  desviado grana para comprar o triplex. Pedi que mostrasse as provas já que Lula estava há 1 ano e meio preso sem que provas fossem apresentadas. O rapaz disse repetindo o mesmo que seu pai dissera horas antes  “mas se a justiça prendeu – o é porque cometeu crime”. Seguiu -se  uma série de explicações nossas de como agem os procuradores  da Lava Jato baseados nas provas do Intercept que ele não lê .

Aí passou para as críticas já banalizadas na mídia: “bolsa família é bolsa vagabundo e tem muito vagabundo usando isso”,  ” as cotas vieram para tirar vagas da gente nas universidades” ( “gente” seria a classe média,  pois pobre não deve ser gente na sua concepção). O “auxílio presidiário”  é uma das coisas que o rapaz de 18 anos mais se indigna “como pode um presidiário receber bolsa”? Lá fui eu explicar- lhe como funciona essa ” bolsa” e que quem a recebeu contribuiu anos para a previdência antes de cometer o crime e portanto sua família está usando apenas aquilo que o preso pagou. Notei certo espanto na fisionomia do rapazinho,  pois pela primeira vez viu  “lógica”  no  “bolsa presidiário”.

 Para concluir, pois se eu ficar escrevendo  nossos diálogos impertinentes com o menino,  não vou sair daqui hoje, foi de fato conversa frutífera (????) pois ao menos para mim, observei como a classe MÉRDIA doutrina desde cedo suas crias para que amanhã sigam o “clã” e sintam-se merecedores dos direitos,  enquanto os pobres que se esforcem por merecer com trabalho, esforço, honestidade, correção, submissão, humildade, passividade e, claro, que não exista  luta de classes.

PS: detalhe que não poderia eu deixar passar: o pai do rapazinho já me confidenciou que sempre colocou sua mãe como sua dependente no IR (mesmo não sendo) para burlar o fisco. 

Gente de bem!

*Médica, Psiquiatra Epescialista em Doenças Mentais, Poeta, Escritora, Militante e Colunista do Cartas Proféticas.

2 Comentários

  1. O nefasto papel da falsa classe média na coluna da Psiquiatra Márcia Tigani. Acesse e compartilhe o link do Cartas Proféticas: http://cartasprofeticas.org/senta-que-la-vem-a-historia-dedicado-a-companheira-tahia-sarapo/

  2. […] Leia a experiência dura mas rica em aprendizado da Psiquiatra Márcia Tigani com um adolescente de … […]

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.