moro-temer

Sérgio Moro se diz alvo de ataques. Oh que dó! Coitadinho do mercenário filhote do imperialismo

Numa reportagem  à Eduardo Simões aparece menção a uma entrevista do mercenário Sérgio Moro após um evento. Nela o bufão de direita se queixa de ser alvo  de  “ataques sujos” durante a condução dos casos da operação e atribui isto ao fato de a Lava Jato envolver pessoas ligadas à política.”

O coitadinho do mercenário, que pavimentou os caminhos do golpe de Estado dado por vampiros do judiciário e do parlamento, colocando no poder uma quadrilha a cujo chefe o exterminador do futuro do Brasil, ganhando muito dinheiro público,  se dobrou em orgasmos,  quase pulando de uma arquibancada para apertar as mãos do usurpador velhaco MiShel Temer.

O “sofrido” mercenário chefe da lava jato, treinado pelo departamento político dos Estados Unidos para fazer o serviço sujo de destruir a Petrobras e a indústria nacional,  fez chororô de que “um lado negativo que eu realmente não esperava foram alguns ataques sujos, por conta desses casos envolverem pessoas da política”, disse Moro durante evento promovido pela revista Veja em São Paulo (logo a quem?).

“Moro classificou de “diversionismo” os ataques de que é alvo e afirmou que não altera a sua conduta por causa das críticas que recebe.”

Certamente o bufão classifica de ataques sujos as críticas que recebe por parte de pessoas altamente categorizadas,  movidas à pesquisa e pela ciência e não por convicções fundamentalistas e fascistas como as de sua turma da suja a jato.

Mercenários serviçais de golpes fascistas de Estado movem-se pela vaidade e pela estupidez, considerando análises lúcidas e patrióticas como coisa suja.

Além de mercenário,  o ídolo do fascismo é ator capaz de  dar uma de vítima.

Colabore com o Cartas Proféticas e aumente sua renda ajudando organizar seminários em sua cidade. Veja como.

Com notícias da Agência Reuters.

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.