bolsonaro_criminoso

Surpresa ou fingimento com mais um crime do miliciano Jair Bolsonaro?

Assisti parte do Jornal Hoje da TV Globo neste sábado, 02/11. Nele apareceu uma matéria com uma rápida entrevista dada pelo miliciano Jair Bolsonaro, que a mídia hipocritamente chama de presidente.

O morador da casa 58 do condomínio da Barra no Rio de Janeiro afirmou com todas as letras que não participará da cerimônia de posse do presidente eleito da Argentina. A   razão alegada pelo chefe do laranjal eleitoreiro  é de que não pode participar da posse de um presidente que veio ao Brasil apoiar “Lula Livre”,  em afronta à legislação e ao judiciário do Brasil ao se solidarizar a um preso condenado por roubar o Brasil.

Ora, o miliciano na presidência se acha no direito, ele sim, de passar por cima da justiça, com base em calúnias, em mentiras e em condenações sem provas ao prender aquele que seria o presidente do Brasil se não fosse a gangue lavajatista, manipulada pelo chefe mafioso Sérgio Moro!

O criminoso Jair Bolsonaro foi veiculado pela TV Globo na afronta à lei e à Constituição e ninguém diz nada em protesto à perversidade dele.

O miliciano da casa 58 numa só fala televisiva  atropelou o judiciário e condenou Lula, afrontou as relações do Brasil com a Argentina em nome de pensamentos e discursos criminosos.

Agora mais uma vez o miliciano confessa escanradamente que agiu criminosamente para proteger seu envolvimento e a dos bandidos que mataram a Vereadora Marielle Franco.

Jair Bolsonaro disse, sem nenhuma trava ou barreira moral, enquanto o parlamento dorme, o STF se espreguiça e todo o judiciário se vê amarrado pelas teias golpistas neoliberais:  “Nós pegamos, antes que fosse adulterada, ou tentasse adulterar, pegamos toda a memória da secretária eletrônica que é guardada há mais de ano. A voz não é a minha”.

Quer dizer, o miliciano de alta periculosidade,  porque está com a presidência do Brasil nas mães, age como polícia, como periciador, como procurador, como juiz e com toda a prerrogativa de decidir se há crime ou não e quem punir ou não punir.

Então não há a quem apelar se não para nosso povo numa poderosa e organizada mobilização.

Aqui temos muito mais o que fazer do que no Chile.  Todos estão nas mãos dos criminosos, golpistas e traidores da pior espécie.

Nosso povo tem que se levantar urgente. Mas a urgência tem que contar com profunda e bem racional organização.

A solução tem que ser definitiva. Basta de tanta barbaridade!

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.