privatização má

Tá, o ministro do STF proibiu a privatização de empresas públicas e daí?

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF),  proíbe privatização de empresas públicas à revelia do Congresso, mas e a greve geral prometida pela Frente Única dos Petroleiros – FUP – onde se enfiou?

O site da FUP saúda com entusiasmo decisão de Lewandowski de proibir a privatização de empresas públicas por este desgoverno vampirão, entreguista, desonesto e traidor da soberania nacional.

Tanto na decisão como em artigo, também publicado pelo site da FUP, o ministro Ricardo proibiu as privatizações sem a aprovação do Congresso.

Ora, este Congresso brasileiro composto por maioria de canalhas, vendidos, golpistas e traidores não aprovará as privatizações nesse momento, claro. As raposas devoradoras correm em busca de votos e de reeleições e se deparam com a repulsa popular à entrega do patrimônio público. O ministro Lewandowski,  que ainda, talvez tenha uma veia patriótica a irriigar sua consciência herdada de seu pai matalúrgico e militante revolucionário, tenta driblar os vendilhões à espera da renovação do antro golpista em que se tranformaram Câmara e Senado.

Contudo, é preciso cobrar da FUP, da CUT, das centrais, dos sindicatos,  dos partidos antigolpistas e das organizações democráticas a ampla mobilização nacional e popular, até mesmo antes dessas eleições contaminadas pelo golpe e pela rendição do Estado brasileiro aos apetites vorazes das aves de rapina do imperialismo, apoiado pelos ladrões com o vampirão MiShel Temer como mandalete e peão oficial.

É bobagem, e até traição, imaginar que as eleições de 2018 são as mais importantes das últimas décadas.

Pelo andar da carruagem do golpe, essas eleições sequestradas pelo golpe, com o judiciário podre, não passarão de farsa e de manipulação.

Acreditar que a cidadania acontece através dos votos como o destas eleições é falta de conhecimento da realidade ou má fé, o que dá na mesma e sem desculpa!

Colabore com o Blog

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *