Por Caroline Ferraz/Sul21

Tereza Campello: “Jair fala grosso com crianças pobres e fino com os EUA”

Ao contrário do capetão pateta, que só leu a biografia do torturador e assassino Brilhante Ustra, Tereza Campelo  é  economista,  formada pela Universidade Federal de Uberlândia e doutora em Saúde Públicas pela Fio Cruz. Foi a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome durante o governo da presidenta Dilma Rousseff.

Diferente  do boçal que virou presidente graças a mentiras e ao golpe de Estado, que ele e sua laia deram contra a democracia no Brasil, a formação superior e científica  confere à doutora Tereza autoridade para tratar das crianças atendidas pelo Bolsa Família.

Jair Bolsonaro, que não passa de um charlatão reformado do exército por ser incompetente e com problemas mentais, também foi parlamentar parasita por 28 anos sem elaborar nenhum projeto a favor do seu Estado Rio de Janeiro, é capaz, isto sim, de dar uma de moscão zumbindo grosso contra crianças indefesas.

Mas, covarde e sub inteligente, Jair Bolsonaro vai aos Estados Unidos e fala fino com Donald Trump, que só se mantem no governo de lá porque se dependura no roubo de petróleo e é sustentado pela indústria militar, envolvido num projeto gigantesco de morte.

É assim mesmo, os covardes, vazios e sem projeto precisam atacar os vulneráveis e fracos para se sustentarem no poder para servirem os poderosos, estes também pusilânimes que precisam de zumbis para sobreviverem.

Leia abaixo o texto da doutora Tereza Campello, que reage às grosserias e falta de respeito aos pobres por parte de quem é vizinho de milicianos e de assassinos.

Não pense nem demore, apoie o projeto Cartas Proféticas. Clique aqui e acesse a conta para contribuir. Muito obrigado e abraços.  

O presidente Jair Bolsonaro ataca de forma covarde as crianças pobres de 0 a 3 anos: “começa errado lá atrás”.

Segundo ele, elas “começaram errado” porque os pais recebem o Bolsa Família e que a consequência é que teriam o desenvolvimento intelectual comprometido.

Temos farta evidência científica provando o contrário: o Bolsa Família reduz em 58% da mortalidade infantil causada por desnutrição e isto tem impacto do desenvolvimento integral desta criança.

Desafio um cientista brasileiro a assinar este “estudo de twitter” que responsabiliza o Bolsa Família pelo baixo desenvolvimento intelectual das crianças, e ateste a obtusa conclusão do Presidente Bolsonaro num luxuoso quarto de hotel: “estas crianças não terão condições de no futuro fazer uma boa escola, uma boa universidade e ser um bom profissional”.

Nós acreditamos exatamente no oposto: O Bolsa Família deve ser só o começo, tem que ter educação infantil de 0 a 4 anos, e educação de qualidade pública e gratuita.

Publicando pelo Jornal GGN.

Deixe uma resposta