l. boff na pf de curitiba

Testemunho do jovem que fotografou Leonardo Boff na Polícia Federal em Curitiba

Foto de Eduardo Matysiak

Eduardo Matysiak, autor da foto que mostra Leonardo Boff sentado na porta da Polícia Federal ao tentar visitar Lula e que está rodando o mundo, se diz contente com a repercussão da imagem, mas que ao mesmo tempo a cena o trouxe uma sensação de “tristeza e impotência”. “É horrível o que fizeram”!

Por Ivan Longo na Revista Forum.

A imagem da semana, sem dúvidas, é a foto que mostra o teólogo Leonardo Boff sentado na porta da superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) na expectativa de poder visitar seu amigo, o ex-presidente Lula, que está preso no local. Boff, assim como o prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, tiveram suas visitas a Lula barradas pela Justiça e a imagem do teólogo de 79, solitário e cabisbaixo diante da recusa em poder fazer uma visita de caráter humanitário, rapidamente tomou conta das redes sociais e ilustrou matérias de veículos nacionais e internacionais.

O autor da imagem emblemática é o fotojornalista de 24 anos Eduardo Matysiak, que vive em Curitiba e acompanha a vigília em apoio a Lula desde o primeiro dia. À Fórum, Matysiak contou que não planejou a foto. Ele estava na frente do prédio da Polícia Federal aguardando uma coletiva de Esquivel quando uma amiga lhe perguntou se ele tinha feito fotos de Leonardo Boff. O fotógrafo, então, decidiu fazer o registro do teólogo, que andava pelo local. “Quando ele sentou, levantou a bengala, eu fiz”, conta.

Matysiak, que colabora com veículos de mídia alternativa como a Fórum, conta que ficou contente com a grande repercussão da foto, já que ela cumpre um papel de “denúncia” e mostra ao mundo que o Brasil está passando por um golpe. Ele pondera, contudo, que sente uma mistura de sensações, que vão da “tristeza” à “impotência”.

“Ainda estou digerindo, porque a sensação é de impotência. Se eu pudesse eu pegava ele pelo braço e levava para os braços do Lula”, pontua.

A imagem em uma situação como a que passa o Brasil trás à tona uma discussão sobre a importância do fotojornalismo atuando com a mídia alternativa, que cumpre um papel de contrapor a narrativa da mídia tradicional ao passar mensagens claras, diretas e de maneira dinâmica sobre o que está acontecendo. No dia da prisão do ex-presidente, uma foto de Francisco Proner também rodou o mundo ao mostrar o tamanho do apoio popular que Lula teve horas antes de se entregar. O mesmo ocorre agora com a foto de Matysiak ao denunciar a maneira com a qual a justiça vem isolando o ex-presidente Lula e seus amigos.

“O fotojornalismo nesse momento é importantíssimo. Às vezes não tem tempo de escrever um texto, mas postar uma foto já passa a mensagem. Isso é o fotojornalismo, passar uma mensagem através da fotografia. Essa imagem revela que o Brasil sofre um golpe e que se continuar assim vamos entrar num estado de exceção. Essa imagem marcou e ainda vai marcar muitas pessoas para sempre”, avalia Matysiak.

Colabore com o Blog

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios *