Louco

Trump, o líder louco do império terrorista, ameaça o mundo

Nossa semana terminou com as ameças histéricas de Donald Trump, presidente desonesto e fanfarrão dos Estados Unidos, de invadir a Venezuela para derrubar o seu presidente Nicolás Maduro.

A fúria de Trump vem do chefe do país detentor de bombas nucleares e de todos os tipos de armamentos aptos a destruir a humanidade.

O império estúpido já demuliu a civilização mais antiga do mundo, o Iraque, e o Afeganistão, para roubar o seu petróleo. Suas aventuras na Síria mostram o alto poder de destruição e de desterro de milhares de sírios.

Se o louco que comanda o armamento e o exército mais poderosos do mundo cumprir sua promessa  histérica transformaria a Venezuela num mar de sangue e a guerra se espalharia pela América Latina e atingiria o Brasil em cheio e em primeiro luga, dizem os estudiosos da geopolítica mundial atual.

É verdade que o Brasil, a Argentina, e Peru e outros países latinos americanos não dispõem de governos sérios, patrióticos e dispostos a defender a dignidade regional. São bandos de oportunistas e lacaios lambe botas dos Estados Unidos, dando a Trump o açúcar para para o chá de sua loucura messiânica.

Por outro lado, vê-se na Venezuela um governo sério, comprometido com a defesa de seu povo, do bens do  seu subsolo e com a revolução bolivariana. Na Venezuela as forças aramadas e o judiciário não são colaboracionistas do imperialismo. A maioria do povo venezuelano, que votou na formação de uma Constituinte com o objetivo de ampliar a participação popular no governo,  defende e defenderá seu pais mesmo que derrame seu sangue.

A coragem do governo e do povo venezuelanos podem imprimir retumbante derrota ao fanfarrão do Norte. Certamente a eles se unirão muitos países da região mais a Rússia, a China e a República Popular Democrática da Coréia (que os yanks chamam de Coréia do Norte).

Compartilhar:



Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.