pastor_técnico

Um pastor “técnico” no ministério miliciano da justiça! Que tu achas?

Por Dom Orvandil

O “seo” André Mendonça, que foi nomeado pelo miliciano Jair Bolsonaro para ocupar o cargo de “ministro”, no ministério antes ocupado pelo marreco de Maringá, o mentiroso e caluniador Sérgio Moro, de longa ficha de traições prestadas aos Estados Unidos no desmonte do Brasil e na preparação do golpe de Estado que colocou delinqüentes para ocupar os principais cargos da República, disse em sua conta no twitter que fará um trabalho técnico, o mesmo que “tem pautado a minha vida”, twittou o “santo” pastor.

Então tá. O marreco também disse que fez trabalho técnico no ministério usado para proteger milicianos, ladrões e assassinos.

Lembro-me de que numa das audiências espetáculos do marreco com o ex presidente Lula em Curitiba, sede da republiqueta cloacal lavajatista golpista, este reclamou em tom de denúncia de que Moro construíra todo o processo nos autos com base em editoriais do jornal O Globo e das mentiras de mídia. O eticamente falso juiz alegou que não. Disse a Lula que o julgamento dele se dava não com base em jornais, mas tecnicamente na lei.

Esse “tecnicamente” usado pela direita é lorota reacionária para enganar a opinião pública.

A tática enganosa se dá na rompância do uso da palavra “técnica” e seus derivados, com o objetivo de enrolar com a ideia de que os processos, e todo o complexo pessoal envolvido,  não seguem inspirações ideológicas nem políticas.

Pura farsa. Não há como escapar de um dos dois caminhos ideológicos e políticos seguidos pela humanidade. Ou se é ideologicamente  comprometido com a classe trabalhadora ou com a classe dominante, que conta com serviçais desonestos, antiéticos, mentirosos, mistificadores e injustos, filhos do charlatanismo e do imbecil terraplanismo.

O discurso enganador do “seo” André usa o termo técnica numa tom falacioso de quem atua e atuará ainda mais a serviço de um grupo charlatão que odeia a ciência e dela tem muito medo. Daí a “técnica” adotada como tática enganosa é para dizer aos idiotas que o sujeito se restringe à tecnologia, sem navegar nas vastas alvoradas boreais da ciência, cuja militância não admite violações dos fatos, distorções na verdade e o uso reduzido ao praticismo vazio de investigação e de aprofundamento.

O “seo” André Mendonça já entra mentindo, com comportamento agradecido ao meio em que vive e milita.

O fato de que o “seo” André Mendonça, aliás, como o enrolão e canastrão Nelson Taich também o é, cujo doutorado alegado não foi comprovado, dizer-se “pastor” não quer dizer nada, como diz um físico meu ex amigo, ou tudo, como mostrarei abaixo.

Ainda mais sendo pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, uma das preferidas dos maçons golpistas, apoiadores das torturas durante a ditadura militar, o “seo” Mendonça não disse se segue a linha do grande e santo pastor Jaime Wright, o presbiteriano amigo íntimo do Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, co-criador da Comissão dos Direitos Humanos, proprietária da pesquisa que gerou o livro “Ditadura: Nunca Mais”, mostrando ao mundo a barbárie dos torturadores e assassinos adorados pelo “mito” charlatão e ignorante Jair Bolsonaro, ou a dos presbiterianos  torturadores e assassinos denunciados pelo antropólogo presbiteriano  Rubem Cesar Fernandes, “…preso em 1962, antes do golpe, por participar de movimentos estudantis”, disse que  “…os evangélicos carregam uma mancha em sua história por convidar a repressão a entrar na Igreja e perseguir os fiéis. Não é justificável usar o poder militar para prender irmãos”, diz ele, considerado “elemento perigoso” no templo que frequentava em Niterói (RJ). “Pastores fizeram uma lista com 40 nomes e entregaram aos militares. Um almirante que vivia na igreja achava que tinha o dever de me prender. Não me encontrou porque eu estava escondido e, depois, fui para o exílio”, testemunhou o “Rubão”, com quem tive a honra de trabalhar.

Citei acima a Revista Isto É Independente, que fez ampla matéria sobre os protestantes evolvidos nos crimes da ditadura militar. Continuo para entendermos de que lado está e quais a raízes ideológicas do “seo” Mendonça, o “ministro” que agirá com bases “técnicas”, como os torturadores que incorporaram na barbárie dos porões escuros da ditadura as técnicas aplicadas na Inglaterra e pelos capitães do mato na tortura dos escravos.  

A matéria jornalística registra o que aconteceu com os técnicos da tortura, que não quiseram fazer ciência para entender o que faziam. “Nenhum religioso, porém, parece superar a obediência canina ao regime militar do pastor batista Roberto Pontuschka, capelão do Exército que à noite torturava os presos e de dia visitava celas distribuindo o “Novo Testamento”. O teólogo Leonildo Silveira Campos, que era seminarista na Igreja Presbiteriana Independente e ficou dez dias encarcerado nas dependências da Operação Bandeirante (Oban), em São Paulo, em 1969, não esquece o modus operandi de Pontuschka. “Um dia bateram na cela: ‘Quem é o seminarista que está aqui?’”, conta ele, 21 anos à época. “De terno e gravata, ele se apresentou como capelão e disse que trazia uma “Bíblia” para eu ler para os comunistas f.d.p. e tentar converter alguém.” O capelão chegou a ser questionado por um encarcerado se não tinha vergonha de torturar e tentar evangelizar. Como resposta, o pastor batista afirmou, apontando para uma pistola debaixo do paletó: “Para os que desejam se converter, eu tenho a palavra de Deus. Para quem não quiser, há outras alternativas.” Segundo o professor Maurício Nacib Pontuschka, da Pontifícia Universidade Católica (PUC), de São Paulo, seu tio, o pastor-torturador, está vivo, mas os dois não têm contato. O sobrinho também não tinha conhecimento das histórias escabrosas do parente. “É assustador. Abomino tortura, vai contra tudo o que ensino no dia a dia”, afirma. “É triste ficar sabendo que um familiar fez coisas horríveis como essa,” escreveu o repórter Rodrigo Cardoso.

Então tenhamos consciência da vertente ideológica do “seo” André Mendonça, o futuro “ministro” “técnico” do desgoverno miliciano charlatão, fofoqueiro e terraplanista de Jair Bolsonaro.

Acesse também e compartilhe:

– A ratazana infesta a República e a desratização libertadora do povo brasileiro.

– Jornalista cubano Ariel Terrero: “No círculo vicioso da epidemia”.

– O site reacionário pseudo evangélico Gospel Prime torce pela morte do presidente Kim Jong-Um da RPDC.

– Memória de Varsóvia: resistência e luta pela vida.

– Entraremos no chiqueiro para pegar os donos dos porcos, responsáveis pela porcaria.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um comentário

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.