pedido_difícil

UM PEDIDO A TODOS, NESTE MOMENTO DIFÍCIL!

Daniel da Costa*

Peço a todos, aos que creem e aos que não creem no espírito de Cristo (aos meus irmãos ateus, agnósticos, budistas, islâmicos, hinduístas, judeus, das religiões de matriz africana etc.), mas que nutrem respeito pela mensagem e vida simples do profeta de Nazaré, periferia da periferia de Israel, Jesus Cristo. Os quais sabem que só viveu e pregou o amor e a real solidariedade entres todos os seres humanos, sem qualquer distinção de classe social e gênero e sem hipocrisia. E que proclamou a unidade definitiva entre o céu e da terra pela pacificação definitiva por meio do símbolo paradoxal da “ignomínia máxima” a que um ser humano podia chegar: a cruz. Sacrifício de amor na cruz pelo qual, com braços abertos Jesus de Nazaré declarou seu amor incondicional por todos nós.

Peço a todos, os que creem e os que não creem. Não é preciso ir a nenhuma igreja. Daí mesmo onde você se encontra. Não é preciso falar em voz alta. Fale para si, dentro do seu coração. Não é preciso repassar esta mensagem se não quiser. Não se trata de corrente.

Os que não creem, digam para si mesmos, de dentro do mais profundo do próprio ser: se esse tal espírito de Cristo, do qual falam, pode fazer algo em benefício de nós seres humanos neste momento difícil, eu peço e desejo que ele o faça.

Os que creem, digam para si mesmos, de dentro do mais profundo do próprio ser: espírito de Cristo, reconhecemos neste momento difícil nossa impotência e fraqueza, e, assim, pedimos, ajude-nos para que a vida vença a morte.

Sou professor, e os motivos para este meu pedido, que pode parecer um tanto inusitado, os explico de maneira teórica abaixo.  

Conheço e dou aula de epistemologia, lógica simbólica, história das ideias etc. e sinto em dizer que nossos recursos técnicos, científicos e institucionais não poderão aplacar a fúria destruidora que sobrevirá a nós todos, ricos e pobres, indistintamente.

Fato é que as ciências, as instituições democráticas, a organização racional da economia e educação por meio do Estado (responsável, nem mínimo e nem máximo) etc. que temos, sendo avanços no sentido do aprimoramento da vida civilizada, da vida humana, da civilização, surgiu nesta forma recentemente, no século XVI. Portanto, tem apenas 500 anos.

Foi a burguesia, com sua vontade de proprietário, de lucro, com seu individualismo, sua mente calculista, sua desconfiança sistemática do próximo e sua beligerância (essa decadência que a ideologia liberal chamou em sua falsa teoria econômica e política de “competitividade”), que deu o tom destas instituições. E assim, tudo que vinha de bom do desenvolvimento civilizatório desde 600 a.C. ficou no século XVI contaminado pelo “vírus” burguês. Tudo ficou misturado, as coisas boas com as coisas ruins.

A partir do século XVIII, a sociedade burguesa (a nossa) começou a organizar teoricamente seu tipo de sociedade e de vida contra a decadência medieval. Com tudo feito sempre e cada vez mais à imagem e semelhança do “burguês”. Até que nos moldou a todos: todos nós somos burgueses, carregamos o seu vírus! E o primeiro passo para nos livrarmos dessa pandemia ideológica burguesa é termos consciência de nossa situação de fato e lutar contra essa decadência que opera dentro de cada um de nós já como um tipo de “segunda natureza”. Modo e modelo de vida: como cultura.

É a partir do século XVIII (mas com base e apoio no que havia sido escrito antes, ou seja, nos séculos XVI e XVII, por Thomas Hobbes, por ex.) que os ideólogos liberais (tais como John Locke) organizaram e deram um arranjo falsamente racional à decadência de morte lenta e certa de todo o mal burguês que se acompanhou ao que havia vindo de bom na história da humanidade por sua busca de vida civilizatória.

Assim, a ideologia liberal por meio de seus ideólogos e teóricos, organizou e criou um verdadeiro método de destruição da vida humana, animal, e natural cuja astúcia engana hoje muitas pessoas sábias. Mas seu princípio básico é sempre o mesmo e claro: criar dificuldade para vender facilidade; e uma dificuldade que cada vez mais se auto alimente, até não haver mais nenhuma possibilidade de retorno à vida.

Desta forma, a ideologia liberal, que não tem problema em roubar, matar e destruir, e o faz com sorriso sarcástico no rosto, corre para o fascismo como o rio corre para o mar. Alguma dúvida?

Pergunte para qualquer liberal, como os ministros do STF, ou o presidente do Senado, ou o da Câmara, o ministro da economia, os banqueiros, os donos dos meios de comunicação, os empresários donos dos oligopólios, os donos dos papéis da falsa dívida pública que surrupiam o orçamento público, os latifundiários etc., todos defensores da ideologia liberal, do seu individualismo e competição, do tal estado mínimo (para o povo e máximo para eles), pergunte a qualquer um deles, qual deles defende, com ênfase, o modelo de democracia inclusiva e participativa com regulação popular das instituições? Que é o modelo civilizatório avançado da democracia representativa de fachada liberal. Pergunte! E vai descobrir o que é ódio e vontade de sadismo e morte.

A atual pandemia é resultado da destruição sistemática liberal de todos os mínimos recursos, instituições, legislação e ações que a evolução civilizatória humana proveu para defender a vida humana, principalmente a dos menos favorecidos. Só há alguma ação de prevenção porque o contágio do vírus letal não respeita classe social. Pois se os liberais soubessem que os ricos ficariam ilesos, nada seria feito. A ideologia liberal, portanto, é um constante culto à morte! Sua criação de dificuldade (sucateamento de tudo que é público através de sua política e economia e seus políticos eleitos) para vender facilidade (concentração do orçamento público e das riquezas nacionais nas mãos de 6 famílias ricas que justamente, podendo comer 20 vezes por dia, ter 500 pares de sapato, viajar de avião como se viaja de taxi etc., e que prometem gerar emprego e distribui renda pelo falso “livre mercado”, são as famílias patrocinadoras da invenção diabólica desse Corona Vírus que dizimará milhares ou milhões de vidas porque estas famílias querem mais dólares em suas contas) é o esquema e mentira mais sórdida, destrutiva e cruel que a humanidade possa ter inventado e aceitado para si em toda sua história.

Como doutor em filosofia, teólogo, pedagogo, músico, Sensei de Aikido e terapeuta bioenergético posso afirmar com segurança: nossa ciência, nossas teorias, nossa sabedoria, agora, neste exato momento, de nada valem diante da devastação que se nos aproxima. Pois o caráter profilático destes nossos preciosos recursos civilizatórios foi sistematicamente destruído pela ideologia liberal. Cujo sentido último é a total destruição e a morte de tudo que é vivo.

Por isso o meu pedido! Talvez você possa estar se dizendo: do que isso adiantará? Só “crer” na civilização e suas conquistas AGORA NESSE MOMENTO FATÍDICO DE DOMÍNIO DA IDEOLOGIA LIBERAL E SUA ÍNDOLE PERVERSA E INDIFERENTE À DOR, ÍNDOLE COM A QUAL TEMOS SIDO CONIVENTES, ADIANTA? Responda para si mesmo …

* Bacharel, licenciado, mestre e doutor em filosofia pela USP; bacharel em teologia pela Faculdade Teológica Batista de SP; pedagogo licenciado pela FALC; autor de artigos de filosofia em veículos especializados e livros coletânea; autor do livro *O cristianismo ateu de Pierre Thevenaz* (no prelo); tradutor de mais de trinta livros nas áreas de filosofia, ciências da religião, ciências humanas e teologia; músico profissional (guitarrista) e jornalista. Colunista do Cartas Proféticas.

Relacionadas:

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um comentário

  1. O filósofo, teólogo, jornalista, músico e generoso ser humano faz apelo eloquente neste momento complicado. Ajude-nos a alavancar o Cartas Proféticas compartilhando somente link desta postagem: http://cartasprofeticas.org/um-pedido-a-todos-neste-momento-dificil/

Deixe um Comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.