Members of the National Bolivarian Militia get ready before a military exercise in Caracas, Venezuela August 26, 2017. REUTERS/Andres Martinez Casares ORG XMIT: AMC03

Venezuela arma seu povo para se defender dos Estados Unidos

Notícias venenosas plantam a ideia de que o governo do Presidente Nicolás Maduro usa  as ameaças de Trump de invadir a Venezuela para destruir a revolução bolivariana como presto para armar milicias para fortalecer uma ditadura.

Agentes de interesse dos Estados Unidos desconsideram e desrespeitam o fato de que a Venezuela é o maior produtor de petróleo do mundo e de que o imperialismo do norte não tem nenhum interesse pelo desenvolvimento econômico e democrático dos povos, muito menos dos que planejam contar com suas riquezas a favor de sua população na solução dos problemas sociais, como é o caso da Venezuela.

O governo Venezuelano, no entanto,  tem toda o direito e a razão para armar o seu povo, de treiná-lo militarmente e de empenhar os esforços das forças armadas na defesa de seu país.

Num  anúncio pela TV Estatal o governo disse que “contra as ameaças beligerantes dos Estados Unidos, todos os venezuelanos com idades entre 18 e 60 anos devem contribuir para a defesa integral da nação”.

O que a mídia subserviente não informa é que a opção militar na defesa daquele País dá-se em face das provocações terroristas, econômicas na afronta ao direito interno daquele povo decidir pelos destinos que deseja seguir.

Também não informa que, como no Brasil, a direita neoliberal venezuelana é desleal com sua Pátria e rancorosa com seu povo. Assim, de modo traiçoeiro estende os braços pedintes e covardes para Trump e os recolhe para sua Pátria.

As forças armadas venezuelanas convocam milicias populares como consequência lógica do estado de mobilização do povo, que se educa politicamente e que tem conhecimento das afrontas que seu País sofre.

Colabore com este blog.

Compartilhar:



Um Comentário

  1. Força ao povo venezuelano.

Responder

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.
Os comentários expressam a opinião de seus autores e por ela são responsáveis e não a do Cartas Proféticas.